opiniões sobre tudo e sobre nada...

Sexta-feira, 6 de Março de 2009
Um rissol para três

Há uns tempos atrás, estava ainda desempregada, pelo que, muitas das refeições tinham de ser bem pensadas, no sentido de gerir, da melhor forma o magro rendimento de que dispúnhamos. A primeira preocupação que tinha era a de pagar as contas relativas às despesas mensais, só depois podíamos pensar em comida. Não sobrava muito. Assim, muitas das refeições, sobretudo à noite, eram ligeiras e rápidas. Uma dessas noites, tínhamos comido sopa, e tinha fritado duas qualidades de rissóis, peixe e carne, para todos, acompanhados de pão e fruta. Os rissóis já estavam no fim, quando, alguém tocou à campainha. Os dois últimos sobreviventes, que jaziam no prato vazio, eram de peixe e carne, sendo o de peixe comido pelo rapaz e o de carne, dividido pelas duas irmãs, que, não gostando dos de pescada, dividiram entre si o último de carne. Uma vez a porta aberta, a vizinha entrou, percorrendo em passos rápidos o corredor que separa a cozinha da porta de entrada. Tive um mau pressentimento. A vizinha varria a cozinha com o olhar, enquanto falava. Estávamos na altura do Natal. Uns dias depois, ela voltava com uns sacos de compras, justificando-se com o choque que provara ao testemunhar um rissol a ser dividido por três. Ela não reparara bem, pelo que a história saíra distorcida. Não me preocupei em desmenti-la. Também não sei se adiantaria muito. Lembrei-me dos tempos em que os meus pais eram crianças e dividiam uma sardinha por três. Percebi que os tempos não haviam mudado muito desde então. O tempo passou mas os problemas não mudaram, são os mesmos. A pobreza continua e com ela os mesmo gestos, num esforço desesperado de sobrevivência. Sim, porque embora o rendimento seja menor, as contas mensais continuam a surgir com a mesma regularidade e com os aumentos nelas incluídos. Não têm coração e, por isso mesmo, são cegas. Em relação ainda aos tempos dos nossos progenitores, a única diferença será possivelmente a nossa dependência dessas contas. Vamos ao exemplo do gás. Os nossos pais e avós procuravam uns paus secos nos terrenos para acender o lume, cujas brasas eram aproveitadas para o ferro de engomar… Nós não podemos fazer isso. (Um problema criado pelo avanço tecnológico. Os pobres não podem investir na autoprodução de electricidade, que envolve um investimento significativo. Até as matas estatais, fornecedoras das amáveis pinhas, estão agora debaixo da supervisão de particulares.) Ou não devemos, embora haja quem salte as cercas em busca de lenha alheia para se aquecer. Muitas vezes, não são os necessitados que as saltam… (como eu própria já presenciei, casualmente, por duas vezes) esses resignam-se e limitam-se a escolher alternativas. Mais uma vez, estamos perante um caso onde a natureza humana é decisiva.



publicado por fatimanascimento às 23:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2008
As palavras do senhor presidente da República

Bravo, senhor Presidente. Já desesperava por encontrar alguém que visse os problemas da nossa sociedade e os ajudasse a denunciar. Não se trata de denunciar só por denunciar, mas no sentido de tratar de arranjar soluções, o mais justas possíveis, para construirmos uma sociedade mais justa para todos. Hoje, o senhor Presidente da República deu uma ajuda nesse sentido e não é a primeira vez que o faz. Sempre achei que a figura do Presidente da República deve ser tudo menos meramente decorativa, ou de ser um mero mediador de conflitos… ele deve ter um papel mais interveniente a nível social, não só com vista a eleições mas preocupações verdadeiras, afinal, ele é o presidente de todos, os que votaram e dos que não votaram nele. Eu não votei nele, (ainda me lembrava dos tempos em que ele, enquanto primeiro-ministro, não se importou tanto com o aspecto social!) mas devo dizer que ele me está a surpreender neste sentido. Estou de acordo com ele. Num país onde o ordenado mínimo é muito baixo e onde há muita pobreza, acho que a riqueza está muito mal distribuída: há aqueles que ganham muito e aqueles que ganham muito pouco. Não é que não saiba bem ganhar muito, o que não está certo é haver uns que ganham mais do que o suficiente para fazer frente ao alto custo da vida, enquanto outros há que mal conseguem sobreviver. Numa democracia a igualdade deveria ser uma prioridade, mas não é. Mesmo dentro dos empregados do estado há uma discriminação muito grande, como toda a gente sabe. Agora, estamos enfrentar uma crise hedionda que nos está a afectar a todos, mas todos gostaríamos de lhe fazer face com mais uns quantos cêntimos no bolso. Só que a única coisa que temos em comum é essa mesma crise. Não acredito em pessoas, sejam elas de que quadrante político forem, que não olham para o lado e se interessam pelo que se passa ali, vivendo única e exclusivamente para a sua vida estando-se a borrifar completamente para a vida dos outros. Eu, neste momento, estou desempregada, mas quando trabalhava, e sabendo que não tinha um ordenado por aí além, quando comparado com outros, não me importava de receber menos se isso fosse beneficiar alguém mais carenciado. Embora eu saiba que nunca se deve procurar a solução por baixo mas sempre por cima, e enquanto tal não for possível, teremos de nos contentar com uma solução menos feliz para todos. Mas mais justa…



publicado por fatimanascimento às 16:00
link do post | comentar | favorito

Sábado, 7 de Junho de 2008
Os direitos das crianças!

 

Os elos mais fracos de todas as sociedades são as faixas etárias que não têm ou já perderam a força – as crianças e os idosos. Mas são aquelas, na sua inocência, as maiores vítimas de uma sociedade calculista, violenta e gananciosa que as explora ou as empurra para o buraco da miséria. Talvez o drama das crianças comece nas famílias onde nascem, que não têm condições financeiras para as sustentar, enviar à escola e, enfim, dar-lhes tudo aquilo que elas necessitam financeiramente e não só. A miséria, a olhar pelo que acontece por esse mundo fora, é, em parte, a grande responsável pela insustentável situação de muitas crianças e suas famílias. A miséria financeira, salvo raras excepções, é, em grande parte, responsável pela miséria moral e, as crianças que deveriam ser amadas e protegidas, são, muitas vezes, negligenciadas, vendidas, maltratadas… Numa sociedade onde o dinheiro é essencial à sobrevivência (longe vão os tempos em que, sem dinheiro, se sobrevivia), já que, sem dinheiro, não se faz nada, é fácil de perceber o que poderá acontecer a estas crianças. Muitas vezes, o trabalho infantil, ainda que injusto e ilegal, é um mal menor, uma vez que, e apesar de tudo, a criança/adolescente está a aprender um ofício que lhe poderá ser útil mais tarde, para além de ajudar a magra economia familiar. Depois, numa sociedade onde o trabalho, mal remunerado é o único sustento das famílias, e olhando aos horários esquisitos que por aí há, ainda falam de negligência da parte dos pais. Se não há dinheiro ou possibilidade de os deixar com alguém conhecido ou com familiares, não resta outra alternativa senão deixá-los sozinhos em casa, com todos os perigos que tal situação acarreta. Lembro-me do caso de um amigo meu, cujo único filho, e devido aos horários do casal, passava imenso tempo em casa sozinho e, como diz ele diz, “Graças a Deus, não aconteceu nada!” Mas poderia ter acontecido… e foi isso que ele quis dizer. Ele e a mulher tiveram a sorte que muitos outros pais poderão não ter tido. Mas o problema não fica por aqui, se olharmos por esse mundo fora, onde os objectivos justificam os meios e, quando o objectivo é o vil dinheiro, faz-se de tudo para o conseguir. É então que vemos pessoas sem escrúpulos (e sem trabalho) a vender e a escravizar crianças, de todas as formas e feitios, em todos os países… desenvolvidos, em vias de desenvolvimento ou mesmo do denominado terceiro mundo. Evoluímos tecnologicamente, mas o dinheiro impede que as mentalidades evoluam. Se formos buscar o exemplo da exploração sexual das crianças, todos sabemos que, cada vez mais, e com as denúncias que têm vindo à luz, que atinge até zonas remotas, onde, hipoteticamente, poderíamos encontrar uma espécie de paraíso, encontramos o mesmo inferno. Estou a pensar no último escândalo daquela ilha do Canal da Mancha, onde as escavações puseram a descoberto as provas das denúncias que só há pouco chegaram aos ouvidos certos que deram início à investigação. Olhando para este panorama mundial, poderemos e deveremos questionar-nos sobre a aplicação do “Direitos da Criança” que teimam em não sair do papel. Talvez as soluções passem não só pela criações de cartas como a dos Direitos da Criança mas por uma profunda remodelação social e económica mundial, mas primeiro temos de passar pela reforma das mentalidades. Nunca se ouviu falar tanto destes direitos e assistimos ainda a tantos atentados a eles. Todos os dias, a cada hora, há uma criança maltratada, de alguma forma. Vejamos o caso daquela menina brasileira…Para já, podemos ficar com a ideia que não se pode ajudar as crianças sem ajudar as suas famílias também… Depois, como pode um governo responsabilizar alguém quando ele próprio não consegue criar as condições ideais para acabar com grande parte dos problemas responsáveis pelo mal estar infantil? Não há soluções para este problema assim como não os há para outros, porque toda agente pensa nas soluções dentro da sociedade tal como está estruturada e não passa por aí… nem nunca passará! Há que pensar em alternativas. A situação está a piorar cada vez mais e parece estar a correr para outra ainda mais insustentável. Estamos a criar uma sociedade onde não há lugar para crianças nem velhos.



publicado por fatimanascimento às 21:25
link do post | comentar | favorito


mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Um rissol para três

As palavras do senhor pre...

Os direitos das crianças!

arquivos

Julho 2018

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
blogs SAPO
subscrever feeds