opiniões sobre tudo e sobre nada...

Domingo, 8 de Março de 2009
O saber e a pedagogia

De um lado o M. E. a defender a pedagogia, do outro lado, o líder sindical a defender a ciência e o saber. Foi esta a ideia com que fiquei depois de uma das várias rondas negociais entre as duas partes… Não percebo estas posições, uma vez que os dois têm razão. O ensino precisa do saber e é este o objectivo último que se pretende atingir sempre que um aluno entra no ensino até que sai. Porém, a pedagogia é também importante, uma vez que esta é um veículo de transmissão do conhecimento. E é muitas vezes nesta, que o ensino falha. Ninguém põe em causa o conhecimento de um licenciado, e muito menos o M. E., mas a atitude deste dentro da sala de aula, pedagogicamente falando. O ensino não é só a mera transmissão e avaliação de conhecimentos, pelo menos não deveria ser. Assim, todas as pessoas podem ser professores. O único desafio, no ensino, é a pedagogia. É encontrar o melhor caminho para chegar até ao aluno. É aqui que reside o verdadeiro desafio. É esta que dá verdadeiramente trabalho, uma vez que cada dia exige um esforço diferente, e que é, muitas vezes, a responsável pelo clima de harmonia dentro da sala de aula. Se hoje uma turma trabalha bem de uma maneira, amanhã, por qualquer motivo, já se terá de encontrar outra estratégia… é preciso saber auscultar o comportamento da turma, para se poder escolher o método adequado, que resultará, numa prática benéfica para ambas as partes. Mas, primeiro, é necessário duas condições básicas, para se ter sucesso no ensino: gostar e aprender a gostar do potencial humano que está diante deles e dominar cientificamente os conteúdos a leccionar. A partir daqui, é só dar livre curso à imaginação… a pedagogia adequada acaba por surgir. Nuns, de uma forma mais natural, noutros, de uma forma mais trabalhosa… mas surge. Depois, a partilha de ideias, entre professores, é algo muito profícuo. Estou a lembrar-me de alguns exemplos, veiculados pelos meios de comunicação, bem sucedidos, de professores que trabalham em escolas problemáticas, e que conseguem desenvolver projectos interessantes com os alunos, levando-os ao objectivo último do ensino que é o conhecimento. Enquanto outros se limitam a culpar os alunos ou os professores pelo insucesso. E há tantas maneiras de o fazer… é só dar livre curso à imaginação. O problema é quando os professores pagam caro pela diferença pedagógica, isto é, quando a sua estratégia ultrapassa as paredes da sala de aula e não é compreendida pelo próximo que questiona a viabilidade da sua prática. Aqui, toda a gente tem medo… e limita-se a seguir as práticas até aqui seguidas ou arrisca-se a pagar pela sua audácia. Mas é a pedagogia que dá mais trabalho, uma vez que nos acompanha no quotidiano, não é a ciência…



publicado por fatimanascimento às 11:29
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008
A extraordinária evolução humana

Voltei agora mesmo do hospital com a minha filha do meio. Na semana anterior, já lá estivera com a minha mais nova. Provavelmente, na próxima terei de lá voltar com mais velho. O mesmo problema de saúde, originado pelo mesmo animal microscópico que o ser humano ainda não consegue combater eficazmente. Nem nos lembramos dele! Talvez devido ao tamanho – não se vê! As pessoas, habitualmente, não se incomodam com aquilo que não vêem ou não se apercebem. Também só quando são atacadas por ele é que lhe dão importância. Como é que seres vivos tão pequeninos conseguem fazer tanto mal? Chegam mesmo a matar! E quando não é o responsável directo pela morte, a sua forte contribuição está lá. Mais um batalhão de comprimidos, neles incluído o antibiótico, para ajudar o corpo a expulsar o dito ser que vive só para matar. É talvez o maior predador do ser humano, acarretando um palmarés de mortes que ainda não foi suplantado por nenhum outro. Ao passar um olhar histórico pelos séculos anteriores, damos conta disso mesmo. Para mim, o vírus é um animal esperto, para o mal, mas é. A prova está na sua capacidade de adaptação e de tomar várias formas para resistir e ultrapassar toda a forma de combate que o ser humano lhe faz, tentando escapar à morte que lhe está destinada e votando ele mesmo esse ser onde se hospeda a esse fim a que tenta safar-se. Houve alguém, no início do século anterior, que votou a sua vida à procura de um meio capaz de livrar muitas pessoas da morte provocada por ele. E o antibiótico é, sem dúvida, a grande descoberta de todos os séculos, a nível científico, que alguma vez foi feita pelo ser humano, embora não mate o vírus, só ajuda o corpo a expulsá-lo. É, pelo menos, aquela a que devemos estar mais gratos, pelas vidas que já salvou! O problema é que parece que nada evolui no sentido de se criarem novos meios de combater eficazmente este ser ou usá-lo no sentido de salvar vidas. Já se faz isso com as vacinas. Mas o maior problema está em não se ver nele a maior ameaça à vida humana. E se mudamos a página de um século em que o antibiótico já não é eficaz e não temos nada para o substituir? Temos armas capazes de destruir a vida humana em poucos minutos, mas não temos nada que mate um vírus, ainda. Talvez os cientistas precisem de autonomia para trabalhar, no sentido de dar azo a toda uma procura científica capaz de se centrar num problema urgente, em vez de endividarem esforços em campos que em nada ajudam ou dignificam a evolução humana.



publicado por fatimanascimento às 08:40
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 11 de Novembro de 2008
A natureza das pessoas e as descobertas científicas

Todas descobertas científicas e/ou tecnológicas nem são boas nem são más. São mais uma consequência natural da evolução humana que põe a mente humana ao serviço dessa mesma evolução. Também a evolução não se pode caracterizar de boa ou má. Isso vem depois. Tudo depende da utilização que se lhe dá. Poderemos até ir mais longe e defender que toda e qualquer descoberta é boa, dependendo tudo o mais da forma como é utilizada. Não temos de ter cautela com elas mas sim com as pessoas que as utilizam mal. Mais uma vez esbarramos com o eterno problema que é a natureza humana. Assim como há pessoas que utilizam essas descobertas para o seu bem e o do próximo, há outros que transformam (mas não são só as descobertas, é tudo!) essas descobertas num suplício para os outros. Todos nós temos em mente exemplos que conhecemos e que ilustram aquilo que digo. São as pessoas perversas que tornam o mundo um local inseguro para viver e logo, criam a desconfiança, quando a há, porque como se costuma dizer, quem mal não tem mal não pensa, o que torna muitas pessoas vítimas de outras sem escrúpulos. Estou a referir-me à internet, mas poderia referir-me a mil outras descobertas científico-tecnológicas que não iria mudar em nada aquilo que defendo, infelizmente. A internet é um meio privilegiado de comunicação que nós não conhecemos ainda muito bem, pelo menos no que às regras diz respeito e ao funcionamento. Não sabemos quem está por trás ou que pretende, mas, para já, é um veículo óptimo de comunicação que permite aproximar povos, culturas, etc., naquilo que poderá ser enriquecedor para o ser humano em todos os aspectos. Mas, como sempre, há aqueles seres humanos que nada têm de humano, a não ser a face que lhes serve de máscara, e que se aproveitam dela com fins obscuros. Já existe nos EUA, e não sei se já noutros países também, uma polícia da internet, que socorre as vítimas dos mais variados acossos e dos mais variados burlões. Ainda há pouco, surgiu uma denúncia de algumas vítimas de e-mails que denunciam certos abusos como por exemplo de um com que me deparei e que falava de uma homem em fim de vida que queria doar alguns milhões a instituições de caridade justificando a sua presença nos e-mails como o único recurso para fugir a uma família gananciosa, na qual não poderia confiar. O que é certo é que estes mails, acompanhados de fotos para criarem nas suas vítimas a confiança desejada, já deram alguns frutos negativos, chegando, ao que parece, algumas das suas vítimas a pagar com a sua própria vida. A intenção é a de extorquir dinheiro às vítimas, procurando fazê-las levar a crer que o dinheiro que investem é para pagar ou desbloquear os milhões que estão no seu nome. Isto é, procuram levar a crer que o dinheiro tem de viajar por avião sob alçada da ONU, para evitar que seja aberto pelas autoridades do país destinatário, e que esta exige determinada quantia para colocar o seu selo na “encomenda”. Não é preciso ser-se muito esperto para perceber que a coisas não se passam bem assim, mas os menos informados podem ser levados a crer que isto se pode passar e pensar que poderá ser verdade. E este é só um exemplo em, provavelmente milhões ou mais, (porque temos de multiplicar sempre para termos uma ideia do que se passa por aí!) e para os quais temos de estar alertados.

O mundo só se tornará um local mais seguro quando o ser humano se redescobrir a si próprio e à sua missão aqui na terra. E enquanto o dinheiro for o fim para o qual vive muita gente, não olhando a meios para atingir os seus fins, há que olhar sempre por cima do ombro…

 



publicado por fatimanascimento às 12:36
link do post | comentar | favorito


mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

O saber e a pedagogia

A extraordinária evolução...

A natureza das pessoas e ...

arquivos

Julho 2018

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
blogs SAPO
subscrever feeds