opiniões sobre tudo e sobre nada...

Sexta-feira, 24 de Junho de 2011
Bombeiros

Dá-se muito pouco valor ao voluntariado neste país. Para não dizer que é mesmo ignorado pelas autoridades superiores que, como sempre, nunca estão a par do que se passa no terreno. E, desta forma, nunca se consegue governar sem cometer erros. Talvez estes sejam até realizados pela má vontade existente, quem sabe? O voluntariado só é valorizado pelas pessoas que dele necessitam. Talvez, por isso, os bombeiros tenham as quotas, suportadas pela população, que os ajudam a suportar os gastos. Não sei bem o que fazem deste dinheiro as pessoas que o administram. Só sei que algo está mal pensado nalgumas corporações, não sei se todas. Sabe-se que muitos bombeiros têm uma outra profissão pelo que dedicam o seu tempo livre a esta causa. Mas nem todos são assim. E os que não têm emprego e também se entregam à causa de alma e coração?

Um dia, estava nas urgências de um hospital quando, sem querer, ouvi uma conversa entre dois bombeiros ainda jovens. Via-se que tinham vindo de longe. Apesar das dores sentidas, as suas queixas viajaram no ar até aos meus ouvidos. Um deles afirmava que estava cheio de fome e o outro concordava. O problema era que nenhum trazia dinheiro consigo. Um deles saiu para fazer um telefonema. Regressou cabisbaixo. Tinha pedido dinheiro ao pai ou à mãe mas estes também pareciam passar por dificuldades. Não conseguiu. O outro lá saiu em direcção, ao que parece de um multibanco, uma vez que levava o cartão na mão. Lá regressou com dez euros. Os últimos, dizia. Lá saíram rumo ao restaurante mais próximo. Quantas vezes, estando a almoçar num MacDonald’s, vi entrar ambulâncias propositadamente para os homens poderem almoçar, depois de uma longa viagem?

Isto deu-me que pensar. Não poderão os bombeiros ter direito, pelo menos, às refeições quando se deslocam para longe da região onde moram? Não haverá hospitais que possam dispensar comida a estes jovens que se dedicam a ajudar o próximo? Não poderiam as corporações, ou quem está à frente delas, arranjar uma espécie de protocolo ou (qualquer outro acordo) com os hospitais de forma a arranjarem comida para os seus homens? Ou mesmo o hospital, que tem sempre tanta comida dispensar aos bombeiros alguma da sua comida, bastando para tanto a entrega de uma senha grátis como acontece com os pais que estão nos hospitais a acompanhar os seus filhos? Não haveria oportunidade e boa vontade para se dar um jeito a esta questão? E se aqueles jovens não tivessem dinheiro? O que fariam? Nada! Restava-lhes passar sem uma refeição. E quantos não haverão que fazem isso? Num país destes, onde há dinheiro para tanta coisa e para nada simultaneamente, não haverá boa vontade suficiente para corrigir algo que, a meu ver, está errado? De certeza que se pode dar um jeito…



publicado por fatimanascimento às 07:54
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 16 de Junho de 2011
Fogos

Ainda mal começou a época quente e já há notícias de fogos que, ao que parece, não são tão pequenos quanto isso. Há muitas causas prováveis. Uma delas poderá ser a trovoada com os seus mortíferos raios. Como é que um país tão pequeno consegue ter tantos fogos? Como é que ainda não aprendemos com o passado? Como é que nos endividamos tanto sem termos ideia concreta para onde vai o dinheiro? Como é ele gasto? Afinal, ninguém presta contas do que acontece ao dinheiro dos nossos impostos. Não vemos materializar-se nada onde possamos dizer que o dinheiro dos nossos impostos (erradamente denominados de dinheiros públicos) foi bem empregue. Vamos às corporações de bombeiros. Os carros que têm de combate a fogos já são velhos e não dão muito rendimento. As ambulâncias conseguidas têm a ajuda de particulares ou da própria população, sensibilizada para o caso. Peço as minhas desculpas? Como não sabemos para onde vai o nosso dinheiro? Então e o tão badalado caso dos submarinos? Pois, têm toda a razão. Só que os submarinos não apagam fogos. Não sei que fogo é que pôs o então Ministro da Defesa numa aquisição cuja polémica ainda não acabou. Quando faltam meios para combater perigos reais, vai-se investir num perigo, quando muito, imaginário? O único perigo conhecido é a descarga, ao largo das águas territoriais portuguesas de barris de chumbo cheios de lixo radioactivo altamente tóxico. Quem estaria interessado na costa de um país com meia dúzia de quilómetros e que, com a elevação da temperatura mundial, um dia, não passará a ser mais do que uma praia espanhola? O perigo real está entre a população. Em terra. E aqui ninguém que ganha o ordenado mínimo ou outros que ganham mais ou menos vêm o seu dinheiro ser aplicado a favor do combate àquilo que já se transformou numa praga portuguesa todos os verões. Mais, apetrechando a corporação de bombeiros não os estamos a ajudar, estamos a ajudar-nos a nós. Não nos interessa o que se passa na costa, interessa-nos o que se passa junto de nós e, como não temos os meios necessários, não podemos deixar de protestar. Primeiro os perigos reais, depois os outros. Há que exigir mais daqueles que nos governam e deixam o país à beira da bancarrota. Mostrem-nos onde empregaram o nosso dinheiro. Mostrem-nos as vossas contas. Mostrem-nos materiais onde empregaram o nosso dinheiro e que é de utilidade pública. Não queremos contribuir para a desertificação do país. Mas o dinheiro dos impostos mal investido, pode levar a isso mesmo. Há uma boa prática que não posso deixar passar ao lado: a reflorestação. Mas esta parece que não conhece mais nenhuma espécie árvore para além do eucalipto! Todo o terreno livre, após os incêndios, parece estar sobrecarregado desta planta. Então e as outras espécies? A reflorestação só pensa na indústria de papel? Vamos passar a ser uma floresta de eucaliptos com fins estreitamente económicos? Se assim for, temos uns governos míopes que em nada contribuem para o bem do país. E não me venham falar dos Rendimentos atribuídos às famílias mais desfavorecidas, porque as há, procurem o problema noutros sítios. Talvez naquelas pensões e salários milionários num país onde o ordenado mínimo está ainda abaixo dos quinhentos euros mensais. E quem mais contribui para a riqueza nacional são os que são precisamente mais mal pagos? Depois, disto, o que poderemos esperar mais das pessoas que nos governam? Vamos deixar arder o resto do país? Até D. Dinis ainda se revolta e aparece por aí trazido pelas brumas do passado (não é o D. Sebastião) para pedir contas aos actuais governantes. Um pouco como acontece no Natal do Scroodge… ele seria o fantasma do passado, claro está!

Ainda me lembro de atravessar, num verão passado, um fogo que grassava nos dois lados da fronteira sul portuguesa. Deixaram-nos passar aconselhando-nos prudência. Ainda recordo a estrada estreita, aberta na encosta da colina e das chamas se cruzarem no ar acima do tejadilho do nosso carro. Fomos, juntamente com mais dois ou três carros portugueses, os últimos com permissão para passar, os restantes ficaram retidos na fronteira por bombeiros espanhóis e alguns populares. Só quem não viveu um pesadelo desses pode não fazer caso do que é realmente importante!



publicado por fatimanascimento às 19:11
link do post | comentar | favorito


mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Bombeiros

Fogos

arquivos

Julho 2018

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
blogs SAPO
subscrever feeds