opiniões sobre tudo e sobre nada...
Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014
Obamacare
Grande furor. Grande expectativa. Desilusão! Injustificado furor! Lei pouco ambiciosa! Mas se esta desencadeou tamanho furacão, imagine-se uma mais radical!

Na memória a tentativa de Clinton. Pretendia a reforma do sector da saúde. Não me lembro do desfecho. Lembro a luta. Nada mais. Pela tentativa de Obama, não conheceu êxito. Anos depois. Obama tenta uma lei. Parecida. O mesmo objectivo. Aprovação difícil. Uma explicação. Grandes interesses económicos por trás de tal recusa. Incompreensível a posição dos republicanos. Não do Tea Party. Ala direita extremista dos republicanos. Não surpreendem ninguém. Pela positiva. Defende os direitos dos privilegiados. Com uma visão estreita ou inexistente do mundo.
Esta medida vai beneficiar os pobres. (Pensei ser mais ousada pela oposição recebida. Nada disso.) Também a classe média. Esta medida não seria necessária não fosse a pobreza e as carências da classe média americana. Não percebo. Politicamente, os Estados Unidos, país reconhecido como maior potência económica mundial, tem um programa de saúde que lembra um país do terceiro mundo. Os mais pobres não têm possibilidade de pagar os seguros. Estão desprotegidos. Tentativa de Obama de colmatar uma falha grave num país assumido como defensor dos direitos humanos. E o direito à saúde? Não está defendido na Carta dos Direitos Humanos? O partido republicano americano não leu essa parte? Só os mais ricos estão abrangidos por seguros caríssimos. A classe média alta, quando se trata de doenças crónicas ou fatais, pode também perder tudo nos tratamentos caros de longa duração, reduzindo-se a uma pobreza forçada. Continuo a não perceber os republicanos pactuantes com o boicote da aprovação do orçamento. O que os leva a colocar em perigo o próprio país? A defesa dos interesses financeiros já referidos? Os seguros ganham muito dinheiro com o programa actual de saúde. Por que não continuam os grandes magnatas com o sistema de seguros e deixam criar o “Obamacare” para as classes mais desfavorecidas? Que ideais maquiavélicos dominam os políticos americanos de direita? Quem se revê, a não ser os mais ricos ou os racistas, na posição dos republicanos? Quem vota nestes políticos? (E têm medo de perder votos? Como li algures?) Não me revejo nesta ideologia. Sendo a nação americana uma nação solidária, são os primeiros a ajudar outros povos em dificuldades, não saberão que a caridade começa em casa? Esta posição republicana só vem favorecer a imagem do presidente Obama e do partido democrata. Ficam para a História como os defensores dos mais desprotegidos. E a História julga os actos friamente. Na distância do tempo. Como querem os políticos republicanos ser recordados? Ou são indiferentes a esse aspecto? Se assim for, o caso é mais grave do pensava. Pertencem à classe dos que “têm medo mas não têm vergonha”. Há pessoas assim em todos os sectores da sociedade. Do mundo. Pessoas que jamais deveriam ocupar cargos políticos ou outros quaisquer. Não fazem diferença nenhuma. Só empatam. Não deixam criar um mundo melhor. Um mundo onde todos tenham um lugar. São o prolongamento mesquinho do passado. Injusto. Cruel. Infame.


publicado por fatimanascimento às 23:15
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014
A prisão dos activistas do Greenpeace
O planeta não é de ninguém. Não foi criado por seres humanos. Foi criado para os seres humanos. É de todos. A natureza não tem fronteiras. É universal. O Homem é só um dos muitos inquilinos. Os homens levantaram fronteiras imaginárias. Pintaram-nas no mapa. Mas estas só existem aí. Os seres humanos reclamam a posse de tudo quanto está dentro dessas fronteiras. Talvez imaginando que nada nem ninguém poderá, sem consentimento, interessar-se pelo que lá se passa. Ideia estranha.
As maiores interessadas, por esta ideia compartimentada do mundo, são as multinacionais que não respeitam regra alguma que a da sua própria ganância. E esta, sabemo-lo bem, sempre foi a perdição do ser humano. Os países, pelo menos alguns, parecem apoiar esta política ultrafronteiriça daquelas companhias. Mas o planeta é dos que a habitam. E, quando existe um problema ambiental, este não se cinge às fronteiras do país responsável pelo desastre. As armas químicas usadas na Síria ou na Guerra do Iraque contendo materiais letais criados em laboratório com o único intuito de matar seres humanos, não ficaram confinados ao ar desse país. Os ventos semeiam essas armas letais pela atmosfera do planeta. O mesmo acontece com as matérias poluentes levadas pelas correntes marítimas. Ora, tendo consciência disso, percebe-se que o que acontece do outro lado do mundo não deixa impunes as pessoas do outro lado do planeta. E não se conhecem as consequências dessa rotatividade. Logo, pode-se dizer que o planeta é uno apesar do que defendem e nos querem fazer crer as autoridades dos diferentes países. Visto este assunto por este prisma, podemos perceber que os activistas do movimento Greenpeace (e outros) defendem algo que é património de todos os seres humanos. Representando, e defendendo, um total de biliões de pessoas não se pode dizer que esteja a cometer um crime aos olhos da humanidade quando se insurge contra a perfuração do Ártico ou outras matérias ambientais. Está a defender a pátria máxima que é o planeta. A natureza é a nossa casa. Não poderemos sobreviver com ela suja. Não sobreviveremos com ela morta. Ninguém. O dinheiro não consegue tudo. Daqui poder-se-á inferir que os activistas deveriam ser homenageados pela coragem não fosse a política das multinacionais, apoiada por alguns países. Só à vista destas e da sua ganância se podem criar acusações absurdas que mais não fazem do que tentar amedrontar os cidadãos do mundo usando estes como exemplo e querendo, sem motivos aparentes acusá-los dos mais variados crimes (já terão chegado a um consenso ou ainda andam à procura de acusações que se possam encaixar naquela situação?) É vergonhoso! É o ser humano a agir numa das suas formas mais vis. Vamos actuar e apoiar estes activistas ou vamos deixar que nos amedrontem e ficar calados pactuando com esta situação ignóbil? É a nossa vida e a nossa sobrevivência que está em jogo não é só a vida deles!


publicado por fatimanascimento às 23:38
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


posts recentes

Cidadãos de primeira e… d...

Que têm em comum Camões e...

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

arquivos

Julho 2018

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds