mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Segunda-feira, 7 de Dezembro de 2015
“Vai abrir a porta, filha da mãe!”

Há violência de toda a espécie. Entre alunos na escola (o mais conhecido), entre casais, entre vizinhos, entre pais e filhos, entre avós e netos… O mito criado que defende que o elo mais forte é o que existe entre pais e filhos não é regra ou é uma com muitas excepções…

Vou falar daquela que é menos conhecida. A existente entre pais e filhos. Há muitos anos tinha lido “Um rapaz chamado coisa” que me chocou imenso. O que nunca me passou pela cabeça foi rever-me naquela vítima! Depois disso, lá percebi a causa: o meu pai que sempre balançou, na medida do possível, as situações (embora nem sempre tenha conseguido!). Também outras histórias me chegaram aos ouvidos e contadas pelas próprias vítimas.

Não é fácil falar deste assunto. Mas é importante que as pessoas se reconheçam nalguns destes papéis ou que conheçam casos destes saibam que devem intervir de alguma forma para melhorar ou terminar com a violência. A solução que me ocorre é a do acompanhamento psicológico. Poderá haver outras e decerto que as haverá…

A frase que serve de título a este artigo, foi retirada do meu dia-a-dia em casa da minha mãe e não há muito tempo que foi proferida com um tom de ódio infernal. Não há outra forma de a explicar. O problema é que não foi dirigida a mim mas à minha filha mais nova. Sim, já vai na segunda geração. O que mais me dói é que não se ficam por mim os insultos mas alargam-se às minhas filhas.

Vamos passar em revista um pouco a vida da agressora. O pai, a quem estava muito ligada, morreu novo. Mãe agressora que a vincou para a vida, chegou a uma bonita idade avançada. Esta foi uma madrasta para a minha mãe na infância (daquelas bruxas da Disney) e uma mãe para os outros. “Foi a primeira, logo levou com tudo em cima” explica uma senhora amiga que assistiu. Foi a melhor explicação encontrada por ela perante o choque das imagens. Na altura, embora fosse difícil de assistir ninguém se atrevia a dizer fosse o que fosse.

Resultado: a vítima passou a agressora mas com uma particularidade – só se veicula para a sua própria família e o ódio agudiza-se mais quando dirigido a mulheres. Eu explico: tenho três filhos, um rapaz e duas raparigas. Ela tem um fraco pelo neto o que torna a vida do rapaz mais fácil e horrenda a das miúdas. A frase com que abro este artigo, foi dirigida à minha filha mais nova enquanto esta brincava com o irmão que sempre foi muito arreliador.

O meu pai teve uma família emocionalmente equilibrada e sempre foi respeitado e sempre se sentiu amado pelos pais assim como o irmão. Foi um pai protector que sempre me apoiou apesar do veneno da minha mãe.

E eu? Eu tive a sorte de ser diferente e de quebrar o padrão. Tive um pai que sempre foi o meu maior amigo longe da vista da minha mãe, claro. Tive vizinhos que não eram as melhores pessoas (lembro-me de duas famílias) mas eram uns pais incríveis. Serviram-me de exemplo. Também odos os filmes americanos vistos desde os tempos mais recuados do cinema até aos mais recentes. Ainda assim não sou perfeita. Estou muito longe disso. Mas posso dizer que tenho uns filhos extraordinários e não é só graças à minha educação mas às pessoas que são. Estão rodeados de violência tanto pela parte da família do pai (este sobretudo e a mãe deste) mas ainda assim conservam-se adolescentes estáveis e felizes, (apesar da minha mãe envenenar o meu filho mais velho. Não é a primeira vez que a apanho!) Tenho de agir de forma a superar toda esta negatividade, o que se torna cansativo embora indispensável!

Mas é a mais nova que se tornou o alvo preferencial do ódio da avó. Eu sinto-me a reviver a minha infância e adolescência. A ideia de educação da minha mãe é a de querer “dobrar” as pessoas àquilo que ela julga ser o “ideal” esquecendo-se de que isso não existe. E é uma péssima educadora porque não sabe falar sem o seu indispensável ódio e os insultos que, invariavelmente, o acompanham. Não se educa retirando o amor-próprio às pessoas. É a forma mais fácil mas também a mais errada. Aos filhos há que amá-los pois são os nossos melhores amigos. E mesmo que não sejam… Há que dar-lhes o melhor de nós para que sejam ainda melhores do que nós enquanto indivíduos. Acho mesmo que pouco ou nada lhes temos para ensinar, pois é como se tivessem dentro deles “algo” que misteriosamente os guia…

Mas nem sempre foi fácil para mim, a educação que nos retira o amor-próprio leva-nos a cair no erro de encontrar nas nossas vidas pessoas que são tão abusadoras como as pessoas que nos criaram. Maridos, amantes, namorados… É necessário quebrar este elo de violência para que as gerações futuras possam ser mais felizes e para que se acabe este paradigma estúpido de agressor-agredido mas, sobretudo, que as vítimas tenham a noção que o mundo, embora não pareça, é mais do que a violência: é amor, é carinho, é felicidade!

Eu encontrei a minha depois do meu divórcio embora esteja sujeita a recordar todos os maus momentos já vividos na convivência com a minha mãe. Porque estou em casa dela? O desemprego assim o ditou…

Isto lembrou-me uma situação passada há muitos anos. Ela repetia com alguma frequência e com alguma altivez que eu ainda iria precisar muito dela. Ao que respondia que tinha pena que assim fosse porque o meu mal era também o seu”. Veja-se o resultado…



publicado por fatimanascimento às 18:26
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds