mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...

Terça-feira, 16 de Agosto de 2011
Violência na Inglaterra vs interpretação do governo

A violência alastra a todo o Reino Unido. Não sei o que se passa. De facto, já há muito que deixei de ouvir as notícias. Não é porque não me interesse o que se passa com os meus irmãos do outro lado do mundo ou aqui perto. Não é nada disso. O que me surpreende – sempre pela negativa – é a reacção dos governos. Os que deveriam mostrar mais tacto, e ter mais cuidado nestas situações, são os que reagem pior! Não possuem o mínimo de sensibilidade para interpretarem os acontecimentos ou tentar perceber – e divulgar – as razões que estão por trás de tanta violência! Porque há sempre razões para as pessoas se manifestarem. Nem que sejam as piores! Mas existem! Nestes casos, é quando se deve ter mais cuidado para perceber alguma razão válida e pensar nela profundamente para encontrar a devida solução. E se forem as piores, a solução é igual. Enviar a polícia de choque, é só uma solução momentânea. Não resolve nada! O que me chocou, e só ouvi a notícia de raspão, foi a jornalista comentar que o governo inglês continuava com a mesma interpretação. E esta não era nada boa! Mostra que optam pela solução mais fácil! E, assim, não se vai a lado nenhum ou só se pioram as situações. Mas como a polícia de choque ainda aqui há uns anos atrás foi a solução para a França, quando o ministro do interior era Nicholas Sarkozy e este chegou a Presidente da França, ou seja, resultou, pelo menos a nível de eleitorado, continua-se a utilizar a mesma técnica. É claro que nada se resolve com violência mas a sua ausência também não resolve problemas. Esta é que é a questão! Para mim, quando alguém se revolta a este ponto é porque tem um motivo e está desesperado. Mas voltando ao caso ainda da França, no tempo dos infelizes Luís XVI e Maria Antonieta, este governo inglês, constituído, na sua maioria por membros milionários, não admira que sintam alguma indiferença pelos problemas sociais ingleses. Afinal, nunca os sentiram na pele. Mas que utilizem uma atitude parecida à que Maria Antonieta teve, quando o povo francês se manifestava por falta de pão e esta foi informada disso, ao proferir, na sua inconsciência do que é ser pobre e sofrer privações, “Se não têm pão, comam brioches”… é não ter aprendido nada com a História da Humanidade! Pelo menos isso!



publicado por fatimanascimento às 19:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 27 de Novembro de 2010
Violência doméstica

Sempre me chocou. Mesmo quando vivida na primeira pessoa ou na terceira. E há tanto tipo de violência doméstica! É também um problema transversal a todas as camadas sociais, culturais e económicas. É um problema real e, muitas vezes, mortal para uma das partes quando não para as duas ou mesmo para toda a família. Tudo depende do grau da violência. É um problema que vem de longe, talvez por isso se não lhe dê a devida importância. O ditado que afirma que”entre marido e mulher ninguém mete a colher” não pode estar mais errado! Aliás, como tantos outros! Se virmos duas pessoas a agredirem-se, vamos deixá-las prosseguir? Não teremos nós, a sociedade civil, um papel a cumprir? Não será ele o de ajudar duas pessoas incapazes de resolverem os seus problemas seja qual for o motivo, talvez por estarem demasiado envolvidos nele? Quando a violência é habitual, vamos encolher os ombros e deixar andar?

A sociedade civil não sabe bem como agir nestes casos. Mas uma coisa é certa: tem de se denunciar. As autoridades devem estar devidamente informadas sobre organizações, associações governamentais ou não que possam acolher crianças e adultos em risco. Estas deverão ser acompanhadas sempre que tiverem de se deslocar pelas autoridades, evitando casos de vinganças que podem acabar em tragédia. Devem estas pessoas poder mudar de residência e de localidade podendo recomeçar uma nova vida noutra zona do país. É que há problemas que nunca parecem ficar resolvidos, seja de uma parte ou de outra. É necessário que essas organizações e/ou associações vão a escolas, informem as crianças do que devem fazer em caso de violência doméstica, uma vez que são geralmente os filhos que contactam as autoridades. Há que criar toda uma infra-estrutura capaz de dar resposta a todos os problemas relacionados com este tipo de violência. Há muita violência doméstica que não deixa marcas físicas. Há aquelas que deixam feridas abertas para toda a vida se não se conseguirem ultrapassar. Refiro-me à violência psicológica. Muitas vezes, o homem ou a mulher demasiado espertos não querem ver-se envolvidos em escândalos policiais, logo agarram-se cobardemente àquela violência de que se podem ilibar facilmente. Afinal é a palavra dele contra a dela e vice-versa. Geralmente, nestes casos e salvo a presença de testemunhas, que nunca as há, nunca se chega a apurar se houve ou não violência.

Há que sensibilizar as mulheres e os homens que todo o sentimento de pertença muitas vezes adquirida com o casamento não é real. Ninguém pertence a ninguém, ainda que se esteja dependente sentimentalmente de alguém. Todos somos livres. E ninguém ama verdadeiramente quando agride fisicamente a pessoa amada. Isso não é amar. É um sentimento de posse mas não de amor. O amor não é sinónimo de violência. Muito pelo contrário. Quem ama liberta. É um relacionamento tão equilibrado e generoso que engrandece a pessoa amada. Tudo o que for contrário a isto não é amor. Quem pense o contrário precisa de ajuda. E só a própria pessoa o pode fazer. Só a própria pessoa se pode proteger. Os outros podem dar o primeiro passo denunciando a situação mas a própria pessoa depois de devidamente esclarecida, poderá seguir o caminho que for melhor para si. Falo, evidentemente, da pessoa agredida. Mas não será melhor também para o agressor, seja qual for o seu problema, iniciar uma nova vida? Talvez sozinho, pelo menos durante uns tempos, talvez o suficiente parta se tratar antes de iniciar uma nova relação, para evitar que esta acabe como as outras?

A violência não faz parte da relação. Não é sinónimo de paixão. É apenas e somente violência.



publicado por fatimanascimento às 20:56
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 22 de Novembro de 2008
O que semeamos, colhemos…

Um dia destes fiquei sem carro. Teve de ir à oficina preparar-se para mais uma inspecção. Levei-o perto da hora do almoço e, como aquela estivesse cheia de carros, tive de o deixar lá, durante toda a tarde. O dono da oficina, que vinha almoçar a casa, deu-nos boleia, a mim e a outra senhora, cujo carro também teve de lá ficar. Pedi que me deixasse perto da escola, onde anda a minha filha mais nova. Um vento frio e violento corria pelas ruas desprotegidas. Fiz o resto do percurso a pé, aconchegando-me no casaco fino. Como ainda faltavam alguns minutos, refugiei-me no café que abrira recentemente e cuja dona é mãe de uma das pequenitas da sala da minha filha. Estivemos à conversa até à hora do toque. Dirigimo-nos ao portão, temendo pela falta de agasalho que muitas vezes os caracteriza, até nos dias frios. A minha filha vinha de mochila às costas e casaco na mão. Insisti para que vestisse o casaco. Deu-me a mão, naquele gesto infantil, à qual já me havia desabituado com os irmãos. Tomámos o caminho de casa da avó. Íamos lá almoçar. Durante o trajecto, fez-me queixas. Já há algum tempo que me vinha fazendo queixas de um menino que bate a todos menos a um. Estava a pedir-me conselhos indirectamente. Fui-lhe dando alguns, à medida que caminhávamos. E se ela conversasse com ele? Se lhe dissesse que queria ser amiga dele, mas que não podia porque ele teimava em bater-lhe sempre que estava junto dela e lhe mostrasse que o mesmo acontecia aos outros meninos? “Não!”-respondeu, horrorizada. “Assim, ele bate-me!” Perguntei-lhe se já se interrogara porque é que ele não batia no outro menino. Ela acenou negativamente. Não seria porque ele era o único que não mostrava medo dele? Ficou pensativa. Percorremos o resto do caminho em silêncio. O cansaço dominara-a. Mesmo assim, investia no longo trajecto com algumas corridas, distraindo-se com tudo o que lhe aparecia. Não falámos mais no assunto. No dia seguinte, quando fui buscá-la, às 17h, hora do regresso da natação, ela confiou-me, já dentro do carro, que arranjara coragem para falar com o J., o autor de tanta violência. Fiquei admirada e curiosa. O que lhe dissera? Não tinha nada a ver com o assunto? Para a próxima não a ajudaria mais… Ela lá concordou em contar. Repetira exactamente aquilo que eu lhe dissera no dia anterior. Agora eram amigos e ele já não batia em ninguém. Realmente, por vezes, o que semeamos, colhemos de certeza…



publicado por fatimanascimento às 09:21
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 12 de Setembro de 2008
"Refugo"

Hoje em dia, houve-se muito falar de violência escolar, talvez pelas proporções e pelo número de incidentes registados e conhecidos. Mas, se formos a analisar bem o caso, percebemos que a violência escolar não é um fenómeno recente e todos nós guardamos, na nossa memória, registos de violência a que assistimos ou de que ouvimos falar. Hoje ouve-se muito falar de roubos, de violência psicológica ou física contra colegas de turma ou de escola e até contra professores. Toda e qualquer manifestação de violência é assustadora, mas ainda mais para aqueles que a sofrem (ou a sofreram!) e não a esquecem, mas não podemos culpar a sociedade de hoje por todos os males que acontecem, uma vez que estas manifestações de violência já vêm de há muito tempo, mesmo antes do 25 de Abril, o que deita por terra toda e qualquer teoria sobre a necessidade de um estado controlador para evitar situações deste ou de outro género. A única diferença será, talvez, e como já referi atrás, só o número de casos e as proporções que assumiram, de resto nada de novo. Quando eu era pequena, lembro-me de vários casos a que assisti e que jamais esqueci, todos eles começados na escola que se transformaram em autênticas perseguições fora dela, quando não aconteciam dentro dela. Um vizinho, alguns anos mais velho do que eu, foi apanhado por um colega mais velho, quase à boca da rua onde morava, e levou aquela que seria a maior surra da sua vida. Tinha brigado com um colega na escola e o irmão mais velho resolvera fazer justiça pelas próprias mãos. O meu colega foi agarrado e espancado. A sorte dele, foram os vizinhos alertados pelos gritos e o choro. Só me lembro de ver o pai a sair de casa a correr, logo seguido da mãe, alertado por uma vizinha que tocara à porta. Do outro lado da minha casa, um outro vizinho meu, (este da minha idade), foi também apanhado por um colega escondido atrás de uma das oliveiras, do olival que ladeava o largo onde vivíamos, que o apanhou também desprevenido. Foi a única nota negra naquele dia de sol quente e radioso. Eu chegara à janela da sala, e atrás das persianas da minha sala, assisti a tudo angustiada, sem saber como fazer para alertar a mãe dele, que se encontrava em casa. A cada grito dele, eu olhava ansiosamente para a janela da sala deles, indiferente ao que se passava naquele largo. Felizmente, e quando eu já me preparava para tomar alguma iniciativa, vi, subitamente a mãe dele assomar à janela e, não conseguindo pôr fim à violência com os gritos, saltou desesperadamente a janela para o ajudar. Não conseguiu muito, uma vez que a irritação do outro não ajudava em nada. Por fim, lá conseguiu puxá-lo por um braço e colocá-lo ao lado dela. Mesmo assim, o outro ainda tentava, de vez em quando, chegar-lhe. Voltando ainda mais atrás no tempo, e na conversa com uma amiga minha, alguns anos mais velha, percebi que a violência contra os professores já existia antes de eu entrar para a escola. Como ela mesma me confessou, ela batera na professora. Angustiada e desesperada, entalada entre uns pais severos e secos e uma professora ameaçadora, ela perdeu a cabeça e explodiu, batendo na professora. Passada a fúria, sentou-se, aliviada. A tensão a que fora submetida, tinha dado os seus frutos. Antes pensara em suicidar-se, mas essa ideia desapareceu-lhe com a surra dada à professora. O marido dela, também se lembra do caso dele. Bateu na professora reagindo à pancada dela e, não obtendo resposta à pergunta sobre o mal que havia feito, voltou-se para ela e deu-lhe umas fortes caneladas. A violência que mais recordo é a da minha professora da primária. Não era sempre, felizmente, mas houve casos de grande violência à qual assisti. Lembro-me particularmente de um relacionado com a minha ex-companheira de carteira. Ela não tinha estudado e estava com dificuldades na leitura de um texto. Eu, na véspera, lembrara-me das ameaças da professora já desesperada, quando saía de casa para ir ao encontro da brincadeira. Sentei-me e repeti aquela lição inúmeras vezes. O mesmo não aconteceu à minha incauta companheira e só me lembro de ver a professora dirigir-se a ela, farta de a ouvir gaguejar na leitura indecisa, e dar-lhe com força tanta pancada na cabeça, que os cabelos loiros dela esvoaçavam de um lado para o outro. Eu estava encolhida na outra ponta da carteira. Estes são só alguns casos de violência, mas outros terão, de certeza, a sua história. O que se deve então fazer? A resposta é clara. Estes alunos violentos precisam de ser ajudados e não é todo o tipo de pessoas, independentemente da licenciatura que possuem, que os conseguem ajudar. Terão de ser pessoas com uma sensibilidade especial e apurada e com uma filosofia de vida particular para lidar com este tipo de alunos, Terão de ser, sobretudo, pessoas com uma grande capacidade de amar. Neste momento, tenho o exemplo de uma amiga minha americana, dotada destas características que está a desenvolver, com sucesso, um trabalho extraordinário com este tipo de alunos. Eu sei avaliar isso porque, desde que comecei a leccionar, há cerca de vinte anos atrás, eu fiquei sempre com as turmas que os outros não queriam e apelidavam de “refugo”.

 

 



publicado por fatimanascimento às 18:45
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 19 de Maio de 2008
O perigo de certos ideais

 

Acabei de rever o filme de Claude Leclouch, Les uns et les autres, que, como tantos outros filmes sobre o mesmo tema, me marcou profundamente. Como todos sabem o filme roda à volta da Segunda Guerra Mundial, e de todos os contornos marginais à própria guerra, como a tentativa de extermínio de certas etnias. O filme, tal como todos os que se debruçam sobre o mesmo tema, revela bem o sofrimento provocado nas populações pela consequência desses ideais, sem excepção. Não vamos pensar que todos os alemães eram nazis. Muitos daqueles que se manifestaram de alguma forma contra o regime ditatorial, sofreram as consequências, chegando mesmo alguns a pagar com a própria vida a sua audácia. Depois, com as consecutivas invasões, esse extermínio estendeu-se a outros países. O mesmo ambiente de medo e desconfiança, as denúncias…

Uma das boas razões porque se estuda a História, é não só para aumentar a cultura dos alunos, ou chateá-los com datas, pessoas que já morreram e factos passados, mas é, sobretudo, para podermos reflectir, enquanto adolescentes, e aprender com os erros do passado de forma não contribuir, no futuro, para a realização da sua repetição. Sobretudo ter a sensibilidade e a inteligência de ler os sinais que poderão contribuir com um retrocesso na História da Humanidade. Mas, para além da História, os documentários com os testemunhos das pessoas que sofreram os horrores físicos e psicológicos (e psíquicos!) dessa época, debaixo do domínio do regime nazi, e das directivas que o orientavam. Talvez, estes testemunhos na primeira pessoa sejam os que melhor traduzem todo aquele horror. Não esquecer os diários que sobreviveram àquela época e que corroboram em tudo o que os documentários revelam. Isto, para já não falar dos próprios soldados russos e americanos que libertaram os prisioneiros dos campos de concentração e que observaram presencialmente, e em primeira mão, o estado das pobres pessoas aprisionadas.

O que me admira são os novos movimentos, que se regem pelos mesmos ideais e que parecem ganhar, cada vez mais, adeptos, apesar da informação toda que existe. A acrescentar a isto, o que chega a ser incrível é a audácia de rejeitarem a própria História, chegando ao ponto de negar certos factos por todos já aceites como uma verdade inequívoca. Depois, o ódio e a violência inerentes a estes grupos assusta qualquer um, quanto mais pactuar com eles… Há certos ideais que têm de ser submetidos a uma séria reflexão, e há que pensar nas consequências reais deles, antes de serem abraçados pelos adolescentes e jovens. Há que pensar seriamente, porque nem vale a pena imaginar o que será uma sociedade submetida a tais ideais, pois disso já temos, infelizmente, exemplos bastante concretos e elucidativos e ainda não muito distantes no tempo.

 

Fátima Nascimento.



publicado por fatimanascimento às 10:13
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Violência na Inglaterra v...

Violência doméstica

O que semeamos, colhemos…

"Refugo"

O perigo de certos ideais

Trabalho infantil

Violência nas escolas

A cultura da indiferença ...

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds