mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014
Dizer o que se pensa…
Dizer o que se pensa é fácil se vai de encontro àquilo que o nosso interlocutor defende. Está tudo de acordo! É a felicidade! Mas nem sempre é assim. E neste caso, o que acontece?
Li, algures, uma frase atribuída a Martin Luther king que dizia (não me lembro das palavras exactas, só da ideia) que, para termos inimigos não precisamos de declarar guerra, basta dizermos o que pensamos. Esta frase aplicada ao quotidiano, faz todo o sentido. Vivemos numa sociedade hipócrita em que todos vivem da imagem que querem projectar – salvas as devidas excepções. Assim, e para evitar problemas, todos optam por dizer o que agrada evitando o que se pensa realmente. E isto acontece em todos os campos da sociedade. Todas as pessoas preferem a lisonja à verdade. O medo e o interesse, maior ou menor, acaba sempre por falar mais alto. Quase todos cedem. E o que acontece a quem não alinha?
Raros são os que se dão ao luxo de dizer o que pensam. Não querem problemas! Não concordam, mas não dizem nada, limitando-se a ir na onda. Não interessa a ninguém e só traz problemas para quem o faz. A verdade vive para se esconder. Numa sociedade onde a maioria se rege por padrões pouco aconselháveis, quem sou para ir contra eles? Este pensamento castra qualquer tipo de acção. Aliás, há muito boa gente que defende que a verdade não existe, só a interpretação da mesma! Esta posição serve de calmante aos mentirosos e aos transgressores. Assim, em vez de se ajudar as pessoas a crescer, deixamo-las ficar presas no mundo leve da sua consciência ou falta dela. Também sabemos que quem não tem valores, não pode transmiti-los. E vemos pessoas (sobretudo garotos) a agir mal e, quando alguém lhes chama a tenção e o educador se volta e diz: “Oh, então e os outros?” O que há a fazer? Quem não consegue ficar calado, diz que cada um deve olhar para si, melhorando a sua própria conduta! As consequências? A irritação do interlocutor que não teve a última palavra! E percebeu que foi apanhado! Se acrescentarmos, a esta irritação, o ódio, temos então o caminho aberto para a possível perseguição! Esta pode ter várias faces: passa a desacreditar-se a pessoa de todas as formas possíveis e todas são boas desde que atinjam o objectivo! Há alguém que goste de estar na posição de vítima quando o desequilíbrio entre perseguidores e perseguido é grande?
Mesmo quando nos pedem a opinião, há que ter cuidado para não se ferir susceptibilidades! A verdade pode levar ao afastamento das pessoas centradas na nossa opinião. É claro que só acredito na crítica construtiva, mas, ainda assim, não estamos livres de ser criticados pelas costas. Isto acontece com pessoas com alta opinião sobre si, o que nem sempre corresponde à verdade, ou os inseguros.
Não consigo também perceber alguém que comete um erro e, com o pretexto de ser família, a família apoia-o a todo o custo, sem alertar a pessoa para o inexistente valor do acto ou actos cometidos. Por esta ordem de ideias, ninguém, salvas sempre as devidas excepções, é obrigado a olhar para as suas próprias acções sob a perspectiva da verdade, mas só pela interpretação das acções, crescendo numa verdade transvertida.
Todos sabemos que quem não tem valores, ou os tem distorcidos, vai passar para a geração seguinte o fraco legado. Talvez por isso seja tão difícil mudar mentalidades!
Ninguém se importa com o ser centrando-se sobretudo no parecer! Daí vem o medo do mundo!


publicado por fatimanascimento às 19:51
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 4 de Abril de 2014
Dizer o que se pensa
Dizer o que se pensa é fácil se vai de encontro àquilo que o nosso interlocutor defende. Está tudo de acordo! É a felicidade! Mas nem sempre é assim. E neste caso, o que acontece?
Li, algures, uma frase atribuída a Martin Luther king que dizia (não me lembro das palavras exactas, só da ideia) que, para termos inimigos não precisamos de declarar guerra, basta dizermos o que pensamos. Esta frase aplicada ao quotidiano, faz todo o sentido. Vivemos numa sociedade hipócrita em que todos vivem da imagem que querem projectar – salvas as devidas excepções. Assim, e para evitar problemas, todos optam por dizer o que agrada evitando o que se pensa realmente. E isto acontece em todos os campos da sociedade. Todas as pessoas preferem a lisonja à verdade. O medo e o interesse, maior ou menor, acaba sempre por falar mais alto. Quase todos cedem. E o que acontece a quem não alinha?
Raros são os que se dão ao luxo de dizer o que pensam. Não querem problemas! Não concordam, mas não dizem nada, limitando-se a ir na onda. Não interessa a ninguém e só traz problemas para quem o faz. A verdade vive para se esconder. Numa sociedade onde a maioria se rege por padrões pouco aconselháveis, quem sou para ir contra eles? Este pensamento castra qualquer tipo de acção. Aliás, há muito boa gente que defende que a verdade não existe, só a interpretação da mesma! Esta posição serve de calmante aos mentirosos e aos transgressores. Assim, em vez de se ajudar as pessoas a crescer, deixamo-las ficar presas no mundo leve da sua consciência ou falta dela. Também sabemos que quem não tem valores, não pode transmiti-los. E vemos pessoas (sobretudo garotos) a agir mal e, quando alguém lhes chama a tenção e o educador se volta e diz: “Oh, então e os outros?” O que há a fazer? Quem não consegue ficar calado, diz que cada um deve olhar para si, melhorando a sua própria conduta! As consequências? A irritação do interlocutor que não teve a última palavra! E percebeu que foi apanhado! Se acrescentarmos, a esta irritação, o ódio, temos então o caminho aberto para a possível perseguição! Esta pode ter várias faces: passa a descreditar-se a pessoa de todas as formas possíveis e todas são boas desde que atinjam o objectivo! Há alguém que goste de estar na posição de vítima quando o desequilíbrio entre perseguidores e perseguido é grande?
Mesmo quando nos pedem a opinião, há que ter cuidado para não se ferir susceptibilidades! A verdade pode levar ao afastamento das pessoas centradas na nossa opinião. É claro que só acredito na crítica construtiva, mas, ainda assim, não estamos livres de ser criticados pelas costas. Isto acontece com pessoas com alta opinião sobre si, o que nem sempre corresponde à verdade, ou os inseguros.
Não consigo também perceber alguém que comete um erro e, com o pretexto de ser família, a família apoia-o a todo o custo, sem alertar a pessoa para o inexistente valor do acto ou actos cometidos. Por esta ordem de ideias, ninguém, salvas sempre as devidas excepções, é obrigado a olhar para as suas próprias acções sob a perspectiva da verdade, mas só pela interpretação das acções, crescendo numa verdade transvertida.
Todos sabemos que quem não tem valores, ou os tem distorcidos, vai passar para a geração seguinte o fraco legado. Talvez por isso seja tão difícil mudar mentalidades!
Ninguém se importa com o ser centrando-se sobretudo no parecer! Daí vem o medo do mundo!


publicado por fatimanascimento às 11:37
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012
A verdade versus mentira

Cada vez mais é difícil confiar nas autoridades. Todos sabemos que já se tornou hábito dizerem uma coisa hoje e, amanhã, fazerem outra. Mas o que mais incomoda, é que a mentira está em todo o lado! As versões oficiais são sempre, mais cedo ou mais tarde, desmentidas por particulares. Estou a lembrar-me concretamente de alguns casos. A militar americana transformada erradamente em heroína até ela contar a verdade; tempos, depois, o caso do burocrata do FMI que bateu com a porta, envergonhado por ter pactuado, durante vinte anos, com uma equipa de mentirosos; finalmente, o caso da morte de Bin Laden que teve também duas versões: a oficial e a privada. Parece que nada do que é oficial, pode ser encarada como verdadeira! Além disso, temos as consequências nefastas para os que se atreveram a contar a verdade. E é preciso coragem, para enfrentar toda uma máquina governamental enraivecida por ter sido desmascarada! A verdade, nesta sociedade, tem um preço exorbitante. A mentira é mais barata! Parece vender mais! Só que ninguém gosta de ser enganado. E, quando a verdade surge, a corrida à verdade é estonteante! Todos querem saber o que aconteceu e como realmente aconteceu! E nunca me apercebi que essas pessoas buscassem fama ou alguma forma de notoriedade. Parecem avançar por motivos mais sérios. O que faz um militar falar de uma missão secreta que foi confiada à sua equipa? Uma vez terminada, poderia ter seguido a sua vida, sem nunca pensar mais no assunto. Então o que o incomodou de tal forma capaz de o fazer contar a verdade dos acontecimentos, desmentir o comunicado oficial dos acontecimentos, arriscar o tribunal militar e destruir uma carreira abraçada anteriormente? Tudo leva a crer que algo ocorreu nessa missão que o tocou negativamente. Não foi pela mera vontade de denunciar os colegas e a situação gratuitamente. A verdade, tem dois lados: a dos vencedores e a dos vencidos. Talvez ele tenha encarado os acontecimentos do ponto de vista mais embaraçoso – o dos vencidos. Apesar de todos os crimes que lhe são imputados, não deixa de ser um ser humano cuja vida foi arrancada pela vontade de um gruo de pessoas que quiseram ficar bem vistas com a decisão tomada, justificando a sua decisão com factos mentirosos. Não é só o facto de terem retirado a vida a uma pessoa sem julgamento, é o terem mentido ao mundo, surpreendido com tal anúncio!

E o que dizer de uma instituição financeira que deveria regular, com integridade, a informação veiculada ao exterior e se chega a saber que é um rio de mentiras que deverão esconder alguns interesses particulares? A mentira serve sempre para esconder algo. E quando se esconde, há algum tipo de interesse…

E, finalmente, a comunicação social… Esta foi a responsável pela mentira erguida à volta da militar norte americana. A precipitação e a pressão não bons aliados de uma imprensa idónea. Há que saber distinguir factos de versões. E a versão escutada não foi a fidedigna… Há que ter calma senão em quem podemos acreditar?



publicado por fatimanascimento às 20:07
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 16 de Abril de 2010
Harold Pinter

Os livros trazem surpresas agradáveis. Não todos. Alguns. Tive a oportunidade de comprar um livro pequeno de poesia do autor Harold Pinter. Chegou-me às mãos num catálogo enviado por uma editora, por ocasião da celebração da entrega do prémio Nobel. Hesitei. Era-me totalmente desconhecido, mas ficou a curiosidade. Comprei o mais barato. E o mais estreito também. Arrumei-o na prateleira, junto de tantos outros, à espera de tempo para o ler. Contudo, ao folhear o livro, dei conta da foto debaixo da qual estavam algumas frases suas ali colocadas à laia de apresentação. Não poderiam ter escolhido melhor. Sempre senti curiosidade em conhecer a pessoa que está por trás das palavras. Mais importante do que as palavras, são as pessoas. Aquilo que elas são. Posso dizer que aquela meia dúzia de frases teve um impacto tão forte em mim quanto o conteúdo do livro. Já tivera outras experiências semelhantes. Estou a lembrar d’ “O Senhor do Anéis” em três grossos volumes que tive a infelicidade de emprestar a uma pessoas que nunca mais mos devolveu. Esta obra vinha precedida de uma espécie de nota introdutória que li com muito interesse. Nela, o autor contava as peripécias ocorridas no percurso da obra antes da mesma conhecer a madrugada da impressão. Sublinhei, a lápis, algumas partes que achei interessantes e que me acompanharam desde então. Nesta última, porém, a ideia prendeu-se a mim. Talvez porque me revi nelas. Na verdade que nelas impressa. Diz assim: “Em 1958 escrevi: não há grande diferença entre aquilo que é real e aquilo que é irreal, nem entre aquilo que é verdade e aquilo que é falso. Uma coisa pode não ser nem verdadeira nem falsa. Pode ser ao mesmo tempo verdadeira e falsa. Acho que esta afirmação ainda faz sentido e se aplica ainda à exploração de realidade através da arte. Por isso, enquanto escritor defendo esta afirmação. Mas enquanto cidadão não, enquanto cidadão tenho de perguntar o que é que é verdade? O que é que é falso? - Harold Pinter, Abril 2002”. É isto que, enquanto cidadãos responsáveis devemos fazer. É uma obrigação moral. Para evitar que o mundo se transforme num esgoto humano cheio de lodo viscoso onde corremos todos o risco de nos afogarmos. Num mundo de mentiras e meia verdades e verdades destorcidas onde já quase ninguém é o que parece, corremos o risco de parecer algo que nada ou pouco tem a ver com a essência humana. Como detesto a mentira, acho que toda a mentira é uma traição, e vivo rodeada delas, não podia encontrar em melhor altura tais palavras! Alguém que, finalmente, declara alto e bom som o seu interesse pela verdade. São tão poucos! No seu caso acho que se pode afirmar que por trás de um grande autor, há uma grande pessoa! Há uma boa pessoa! A sua luz apagou-se no ano de 2008. Mas este homem interessante deixou uma obra que merece ser seguida com atenção.



publicado por fatimanascimento às 20:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 11 de Junho de 2009
Não bastam os que temos, têm de nos arranjar mais defeitos!

A verdade, ao contrário do que pensamos, nem sempre é descoberta. Nem com o passar do tempo… É desta esperança que os mentirosos, levados pelos mais diversos motivos, se revestem. Depois, há aquelas pessoas que, só pelo facto de existirem, parecem incomodar outras! Será este o motivo que leva algumas delas a prejudicarem outras com mentiras ruinosas e imaginativas?

  Aqui há muitos anos atrás, uma rapariguita conhecida, que morava relativamente perto de mim, filha de uma professora primária, depois de muito se aborrecer de ouvir a mãe mastigar o meu nome, e para se ver livre disso, porque a aborrecia bastante, resolveu pôr cobro a essa aparente admiração, contando uma estória que terminava, definitivamente, com tal incómodo! Nunca imaginou que a sua mentira transpirasse para fora das paredes da sua casa! Só queria que a mãe terminasse de a atormentar com o meu nome! Passado algum tempo, a O. veio ter comigo, contou-me a mentira que pregara à mãe, evitando contar-me, envergonhada, a patranha que criara, (não, não fora isso… repetia, respondendo laconicamente às minhas questões) e pedindo-me desculpa por tal, prometeu que iria ganhar coragem para lhe contar a verdade. Eu, desde que a verdade fosse reposta, não me importava. A questão é que a verdade jamais foi reposta, continuando a progenitora, como um autómato a repetir a estória a todas as pessoas com quem tem confiança, destruindo a fé delas em mim. E se ela não teve coragem de assumir a verdade, naquela altura, nunca mais fará. Tive, há relativamente pouco tempo atrás, oportunidade de ver a mãe actuar. Era patética a cena.! Rodando à volta de uma mesa de café, onde convivia com uma ex-professora de Português e seu marido, qual leão rodando à volta a jaula da apetecida carne, ela tentava descortinar o que se passava ali. Percebendo a má fé dos seus movimentos, tentei esconder o objecto da sua curiosidade. Não serviu de nada! Só largou a presa depois de perceber o que acontecia naquela mesa! Percebi o mau sentimento que se escondia por trás daquela dança estranha. Passados uns dias, compreendi tudo…. a D. L. já não respondia aos meus telefonemas ou mensagens. A mentira perdura e perdurará. Não sei quantas pessoas já foram contagiadas por tal veneno, mas sei que já são algumas!

  Encontrei a O., (jamais me esquecerei do seu nome) há dias, numa passadeira. Reconhecia-a imediatamente. Parei o carro para que ela passasse. Continua alta e esguia, os cabelos longos lisos esvoaçando à aragem da tarde. O mesmo nariz empinado… 

  Infelizmente, não foi a única!

  Anos mais tarde, uma moça minha conhecida, com quem tinha pouca confiança, resolveu também atacar a minha pessoa, desta vez, junto de uma professora de História do secundário, de quem fiquei amiga, depois de eu ter saído do colégio. O veneno foi de tal modo bem metido que ela, horrorizada, evita todo e qualquer contacto comigo. Mais ou menos na mesma altura, um ex-colega meu, amigo da mesma professora, passou também a ignorar-me. Sofri bastante. Ainda hoje não sei o que se disse para que a atitude das pessoas sofresse uma reviravolta destas. Mas deve ter sido grave! Não deixo, contudo, de pensar na atitude das pessoas amigas que, como tal, deveriam conhecer-me para perceber o que eu sou. Não compreendo como se deixaram manipular daquela forma! Talvez as manipuladoras sejam muito eficazes deitando mão a toda a informação que têm sobre a vítima de forma a darem lógica intrincada à sua estória…  

  Conheço estas duas, não sei se haverá mais. Já me conformei com a situação! Nada mais posso fazer! Pessoas que conhecem estas estórias, e sabem a verdade, já perceberam que é impossível inverter o rumo dos acontecimentos. E, embora muito indignadas com tamanha injustiça, guardam para si, o que é mais importante – a verdade!

 



publicado por fatimanascimento às 12:30
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Dizer o que se pensa…

Dizer o que se pensa

A verdade versus mentira

Harold Pinter

Não bastam os que temos, ...

A verdade e as versões

As “figuras públicas” e a...

O desejo de Jesus: o proj...

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds