mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...

Sexta-feira, 31 de Maio de 2013
Ditadura discente
Já ouviram falar? Mas existe! Já vinha assistindo a alguns indícios, poucos, na verdade, e passavam quase despercebidos. Poder-se-ia dizer que passavam quase despercebidos. Este ano, aconteceu algo em larga escala o que se tornou alarmante. Ao que parece, parte dos miúdos de uma turma, devido a circunstâncias anormais, tiveram vários professores, numa determinada disciplina no(s) ano(s) anteriore(s) e notas altas. Houve aquilo a que se poderia chamar de facilitismo quando falamos de testes realizados com a ajuda do manual. Este ano, apanharam uma professora disposta a ajudá-los exigindo em troca trabalho da parte deles. Contudo, o trabalho, ou a falta dele, da parte de alguns dos discentes, resultou em notas fracas, o que resultou numa ira incontrolável contra a professora. Grande parte dos alunos estavam preocupados com as brilhantes notas tiradas no anos prévios e que, naquele momento corriam um sério risco, para já não falar no que socialmente isso representaria. Com a Diretora de turma do lado deles, numa cumplicidade enraizada em três anos de convívio, o caso envolveu encarregados de educação e direção. Num caso, onde a sensatez deveria prevalecer, para além da mediação e a boa vontade, resultou antes num circo escolar, com comentários realizados a colegas, em alta voz, que nada tinham a ver com o assunto, numa sala de convívio, contra a colega visada. Ora, num conselho de turma, onde parece haver unanimidade ou parte dela, defendendo que grande parte dos alunos querem boas notas sem trabalho, é difícil perceber a má vontade contra a colega.
Para mim, que estar num trabalho implica ajuda a alunos e colegas, estranho (e sempre estranhei) estas atitudes. A nossa função não se resume à transmissão de conhecimentos mas também à formação dos alunos enquanto seres em plena formação cívica e pessoal, o que ainda torna tudo pior. Estes não são os melhores exemplos. Nada se resolve culpando alguém. Como sempre digo aos meus alunos o nosso trabalho é repartido, pertencendo cinquenta por cento do trabalho às duas partes: professor e alunos. Só assim se consegue obter os resultados tão almejados por todos os interessados. Enquanto se resolverem ou tentarem resolver problemas descarregando as culpas no professor só porque ele é a parte adulta, nada se resolve. Os alunos têm de ser responsabilizados pelo trabalho que realizam ou não. Só assim teremos futuros adultos percebendo que o saber é mais importante que as notas porque estas são sempre um reflexo daquele. E, nesta profissão, ninguém está a tentar, pelo menos propositadamente, (nem de outra maneira qualquer) prejudicar seja quem for. O professor é aquele que ajuda o aluno tentando levá-lo ao sucesso. Se os alunos gostam dele, tanto melhor, senão terão de se esforçar mais. É tudo. A culpa nunca é só de uma parte! Tal como há adultos de boa e má vontade também há assim miúdos. E como costumo dizer, contra esta não há estratégia possível, sem uma mudança de atitude por parte do aluno. E, na minha vida, já vi muitos docentes serem prejudicados voluntariamente por alunos. É altura de dizer: chega! O facto de as turmas serem unidas, torna o professor vulnerável a qualquer tipo de má vontade. Os mais sensatos e tímidos têm medo de enfrentar os colegas responsáveis por atitudes mais radicais. E quando se arrependem, muitas vezes, é tarde de mais! Já ouvi, na minha vida de docente, alunos dizerem-se arrependidos pelas atitudes tomadas…


publicado por fatimanascimento às 13:24
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 1 de Junho de 2010
Baltazar Garzón: o direito à verdade

É muito conhecido pelo seu trabalho. Agora, é de novo notícia devido à sua suspensão do cargo que, até ali, ocupou. Depois da tristemente conhecida guerra civil que matou imensas pessoas, a Espanha mergulhou numa ditadura dirigida pelo general Franco. Durante a sua governação, e tal como em todas as ditaduras, perseguiu todas as pessoas que se lhe opunham de alguma forma. Muitos desapareceram. Presume-se que os tenham morto. É assim que agem as ditaduras: limpa-se o que não interessa, isto é, as pessoas incómodas. Depois desse tempo conturbado, embora aparentemente sereno, (só aparência!) os familiares pediram autorização para investigarem o desaparecimento de familiares. Compreendo perfeitamente a sua angústia. Se me tivessem desaparecido familiares, gostaria de saber o que lhes teria acontecido. Passado algum tempo, os movimentos de extrema-direita fizeram, e conseguiram fazer passar uma Lei da Amnistia, em 1977, no parlamento que pretendia enterrar o passado. Ora, essa lei parecia não estar de acordo com o Direito internacional, no qual se baseou o juiz para tomar tal decisão. Agora, basearam-se nesse argumento para o atacarem. Acusam-no de prevaricação. Ao encontrarem-se as valas cheias de corpos, o medo deve ter tomado conta dos herdeiros ideológicos da ditadura. Ora, ninguém quer vingança. Ninguém está a pedir nada que seja imoral. Toda a gente tem direito de saber onde repousam os restos mortais dos familiares. O que acontece é que se pretende apagar da memória das pessoas a outra face da ditadura franquista - o horror. Mas o que acontece realmente é que, nas suas investigações apanhou pessoas corruptas altamente posicionadas dentro do partido de direita (PP) e não só. É natural que, ao mexer com tantas pessoas poderosas, ganhasse inimigos. Ganhou-os de certeza. Esta decisão jurídica, embora legalmente apoiada, nada mais é do que vingança. Para certos sectores, não interessa alguém como ele num cargo como aquele que ocupa. É demasiado incómodo! Assim, tratam de o afastar! Temos direito ao passado e queremos a verdade. Ele deu-nos isso! Vamos deixar que interesses obscuros tentem acabar com a carreira de Baltazar Garzón só porque querem esconder o que não lhes interessa que se saiba? Será este o destino de pessoas rectas como ele? Não é preciso o ditador, o legado dele aprendeu bem a lição e está a aplicá-la. As ditaduras, ao contrário do que se pensa, não são só os ditadores mas todos aqueles desconhecidos que os rodeiam e seguem. Nem acredito que isto se passe actualmente em Espanha ou mesmo noutra parte do mundo! Esta posição é inconcebível em democracia!

 

 



publicado por fatimanascimento às 21:45
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 25 de Maio de 2008
A máscara e a política

 

Ao subcomandante Marcos

 

Se olharmos para trás, não é a primeira vez que um herói popular usa máscara. Estou a lembrar-me do famoso Zorro, que, para fazer justiça, a tinha de utilizar, para se defender dos seus inúmeros e poderosos inimigos. E sabemos como esta figura lendária é famosa não só no seu país, como também além fronteiras, para se tornar numa figura lendária mundial, pela justiça dos seus ideais, que aquecem a imaginação, a esperança e a vontade de criar uma sociedade mais justa, onde todos possam ser iguais e felizes. O mundo, tal como nós o conhecemos, com todos os seus defeitos e qualidades, já se vem arrastando assim, desde os primórdios da civilização, o que mostra que nada ou quase nada evoluímos desde então, em termos de mentalidade. Há como que uma força que o puxa para trás, quando se dá uma brecha no muro da ordem ancestral. Uma curiosidade é o que se passa nos países latino-americanos, onde o povo parece permanecer um pouco ao lado do fenómeno político, olhando, antes, para o lado e observando cruamente a sua miséria e a dos seus vizinhos. São estes que lutam, à sua maneira, por uma vida que a política teima em lhes recusar, talvez por ter perdido esses ideais, talvez por os ignorar. São estes heróis anónimos, sem cor política, que, mais tarde ou mais cedo, conhecem a prisão, por reivindicarem direitos que há muitos já deveriam ter sido conquistados. É nestas circunstâncias que há lugar para pessoas como o subcomandante Marcos, (desde já todo um mito social actual, também ele de máscara, para se defender de possíveis perseguidores), e outros idealistas, que, (há falta de ideais humanos e sociais, só abordados pelos políticos tradicionais nas campanhas, e só com o fino intuito de angariarem votos que os conduzam ao poder), à falta de espaço no apertado cerco da política actual, enveredam por caminhos paralelos, procurando alertar as pessoas e o mundo para possíveis alternativas. A verdade é que o mundo está farto de política e de políticos cuja única qualidade é a da manipulação das massas, através da palavra, e que não têm soluções para nada, nem, muito provavelmente, têm a ideia de como resolver os simples problemas com que se deparam diariamente, recorrendo, invariavelmente, ao aumento dos impostos e à política de tapa buracos. A impressão que dá, é que o sistema político, tal como o conhecemos, sejam a democracia ou as ditaduras (sejam elas de que natureza forem), à falta de soluções, e para conservarem a ordem mundial, tal como a conhecemos, recorrem a tudo para nos fazer crer que essas soluções existem. Talvez existam e eu creio que sim, mas é preciso vontade de mudar um sistema pesado com muitos milhares de anos. Acredito que há pessoas que queiram tentar, pelo menos mostram publicamente vontade disso, e é preciso dar-lhes uma oportunidade também. É isso a democracia – a criação de uma sociedade com espaço para todos. Depois, a política, tal como está, com a dança dos políticos nas cadeiras do poder e à frente dos partidos, caras há muito desgastadas pela própria fama, que, muitas vezes, não vai além do aparecimento da cara deles na televisão, (não se sabe muito mais deles), a não ser que muda a cor política, para continuar tudo na mesma, levam as pessoas a alhearem-se da política o que constitui, só por si, uma ameaça à democracia, porque não há democracia sem participação popular. Dêem oportunidade às novas caras… e, talvez, quem sabe, a uma nova era.

 

Fátima Nascimento



publicado por fatimanascimento às 17:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 15 de Maio de 2008
Vontade política e necessidade

 

A tragédia de Myanmar

 

Mesmo vivendo em democracia, e escolhendo os políticos que, julgamos nós, nos representarão melhor nas nossas necessidades e aspirações, a nível do desempenho político, muitas vezes, nos decepcionam, imagino o que será viver debaixo de uma ditadura, seja ela de que natureza for, e com a qual não nos identificamos. Penso que será mais ou menos isto que se passará com o povo da Birmânia. Será que eles conhecem os rostos dos seus governantes?

Olho as imagens daquele povo que, adivinha-se vivia já com pouco e que, agora, vive sem nada, após aquele devastador ciclone que arrebatou vidas e os poucos bens que deveriam possuir.

Olho as imagens e vejo os mesmos olhos vazios, próprios das pessoas ainda abaladas por um grande choque, e adivinho o medo e a incerteza, para além do desespero quando se tem de enfrentar o desconhecido. Estes dias de grande sofrimento poderia ser amenizado pela ajuda internacional que já se disponibilizou a ajudá-los. Não sei se eles sabem da existência dessa ajuda internacional que os pode e quer ajudar, e o que pensariam se soubessem que, apesar da urgência nessa ajuda, a junta militar que os governa e que deveria defendê-los está, ela própria a dificultar e a impedir a entrada dessa mesma ajuda no seu país. Não falo só da ajuda para enterrar os mortos, (que os militares poderão fazer), mas do fornecimento de bens essenciais à sobrevivência deles, e que vem sobretudo do estrangeiro, porque eu não acredito que, depois da catástrofe que se abateu sobre o país, eles tenham os meios suficientes para chegar até ao povo birmanês com a quantidade e a variedade de bens essenciais que eles necessitam. Como todas as ditaduras, uma das características é a de fechar o país a influências tidas como negativas para o país e a política de desconfiança serve de filtro a tudo quanto venha do exterior. Não será altura de esquecer as desconfianças, as divergências para se unirem em volta de um povo sofredor? E caso tarde a autorização de entrada no país a essa ajuda internacional, não haverá forma de sensibilizar os governantes para os seus deveres primordiais, enquanto governantes? E, em último caso, não haverá forma de os responsabilizar pelas consequências desse entrave? Seria, de certeza, uma lição para todos os governantes de má vontade que só olham para os seus interesses, esquecendo o mais importante – a ameaçada sobrevivência do seu povo.

 

Fátima Nascimento



publicado por fatimanascimento às 08:55
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Ditadura discente

Baltazar Garzón: o direit...

A máscara e a política

Vontade política e necess...

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds