mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014
Desemprego e internet
Todos os anos milhares de professores enchem os Centros de Emprego do país. Vêm acompanhados da respectiva declaração em suporte de papel ou em suporte digital. E quando este não substitui o outro?

Todos os anos, a partir de meados de Agosto, se começa a receber a declaração de desemprego. Este ano, por qualquer razão, recebi-a mais tarde, e só depois de enviar um e-mail com o pedido. A resposta veio em forma de e-mail. A esperada declaração veio anexada. Hesitação. Deveria copiá-la para uma pen? O número da declaração, só por si, seria suficiente para ser encontrada no sistema? Apostei nesta última. Erradamente!
Chegada ao Centro de Emprego, e após a passagem pelas formalidades normais, entro num gabinete. Entrego o cartão de cidadão. Pedem-me a declaração. Trago o número. Não deu. A pen que não trouxe? Também não dá. Medo de vírus. No sistema, só a escola de há três anos. Tive de regressar a casa. Copiar a declaração para uma pen. (Não tenho impressora!) Fui a uma tabacaria. A impressora só lê ficheiros em PDF. De volta a casa. Converti ficheiro do word para PDF. Regressei à tabacaria. Já com o papel na mão, regressei ao Centro e Emprego. Apresentei o documento à mesma senhora. Expliquei as voltas dadas para conseguir o desejado papel. Desculpas. Compreensão. Problema resolvido. Assunto tratado. Rumei à Segurança Social. Entreguei os papéis do Centro de Emprego. Não. Não recebiam papéis. (Espanto. As pessoas que não sabem da nossa vida são as que têm os nossos formulários?) A senhora do Centro de Emprego não tem a certeza que o formulário tivesse sido submetido. Tinha uma esperança que tivesse seguido. Mas estava a dar erro. Verificada a situação, o formulário chegara ao destino mas… com erro! Acusava falta de documentos. Incompreensão geral. Telefonema para a capital regional. Qual o documento em falta? Espera. Faltava a data da DSD! À frente da “Declaração comprovativa de desemprego”, a falta da data e à frente, e por baixo de “Apresentado”, o “Não”. Porque faltava a data! Teria de regressar ao Centro de Emprego. A chefe do serviço regional, interrogada pela funcionária, diz que não. Que depois de ser analisado o formulário, tudo se resolveria. Pelo sim, pelo não, terei de regressar dentro de dois ou três dias à Segurança Social, para verificar se tudo estará devidamente resolvido, tal como disseram que aconteceria… Nada é infalível, mas...
Tanta tecnologia e tão pouca eficácia!


publicado por fatimanascimento às 19:36
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 17 de Setembro de 2013
O desemprego docente e o défice orçamental
Os professores são funcionários públicos. Fala-se do excesso de funcionalismo público. Os professores, depois do conhecimento do número elevado de desempregados, são considerados excedentários. Se não o fossem, não haveria necessidade de os deixar de fora. Há, portanto, professores a mais. Segundo a lógica governamental. É aqui que o governo, mais concretamente o Ministério da Educação, julga poder cortar despesa. Vamos a ver se são realmente excedentários. Depois de esperar a colocação, e sempre com uma menor atrás, fui pedir a transferência da pequena. Deparei-me com um panorama desolador. As turmas são enormes. Lista intermináveis de nomes. Mesmo as turmas com alunos NEE ultrapassam os vinte alunos. A escola assegura a colocação numa dessas turmas enormes. Mas não dá certezas. Se isso não acontecer, poderá ter de se deslocar para a escola da localidade mais próxima, caso haja vaga para ela. E assim por diante. É claro que não contei nada à pequena para não lhe criar qualquer tipo de ansiedade ou de insegurança. Mas estou preocupada enquanto Encarregada de Educação. Como irá ser o aproveitamento nestas turmas enormes? Principalmente, quando a indisciplina de alguns alunos é deveras preocupante. Como contornarão os docentes esta questão? Quantos mais são, mais força sentem. A possibilidade de distracção aumenta.
Depois disto, pergunto-me se há relação entre o cumprimento do défice orçamental e este desemprego alargado quase forçado. O dinheiro poupado à custa de um serviço sobrecarregado e desafiador do ponto de vista do professor (um tom de voz mais forte, um ruído de fundo desafiador…) e o problema de uma turma sobrecarregada de alunos (a desatenção, a falta de uma boa audição pode levar à distracção e ao desinteresse pelas actividades lectivas e possível abandono escolar).
O primeiro-ministro e os seus secretários de estado, e sabe-se que são muitos, que deveriam trabalhar numa solução para o défice continuam a fazê-lo à velha maneira: cortando no que deveria ser uma prioridade e nas classes mais desfavorecidas e desprotegidas: uma educação forte como aposta no futuro. Isto dá que pensar. Talvez o primeiro-ministro devesse abrir mão desses secretários de estado que parecem não ter utilidade. Para soluções destas não é preciso pôr tanta gente a pensar… ou serão simplesmente tachos para amigos?


publicado por fatimanascimento às 21:38
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010
Licenciados e desemprego

Aqui há uns anos atrás e depois de uma perseguição violenta, originada por invejas, tive de pedir a demissão do ensino. Procurei alternativas para os dois anos de penalização que me disseram que teria. Não era assim. E só o M. E. mais tarde me informaria disso. Toda a informação posta a circular era falsa. Só os contratados estavam sujeitos a essa penalização, caso renunciassem a um horário. E, ainda assim, defendiam que tudo dependeria da escola. Haviam aquelas que informavam e outras que não o faziam evitando prejudicar o professor contratado.

No centro de desemprego, e procurando uma especialização que pudesse mudar o rumo da minha vida, deparei-me sempre com o entrave da licenciatura que possuía. (Tinha mais que isso, mas não mencionei). Todos os cursos existentes eram só para aqueles que ainda não tinham completado a escolaridade. Eu queria um curso qualquer médio que me possibilitasse trabalhar como esteticista. Conhecia pessoas que o tinham tirado e tinham tirado proveito dele. Não havia nada para os desempregados licenciados! Sobretudo para aqueles que não tinham dinheiro para frequentar um curso particular. Atingíramos o patamar mais alto, logo éramos castigados por tal. Todos as medidas tomadas, a nível governamental, só contemplavam pessoas que, a dado momento das suas vidas, tinham desistido dos estudos. A determinado momento, e vendo que todas as outras saídas estavam bloqueadas para mim, desejei também não ter completado a escolaridade para, naquele momento, poder ter uma saída que me preparasse para uma saída profissional alternativa. Pela primeira vez, na minha vida, senti que, neste país, ser licenciado era uma maldição. Sobretudo para as pessoas que se encontravam desempregadas! Todas as portas se fechavam!

Ora, lá porque atingimos aquilo que é considerado a escolaridade máxima (que não o é) não quer dizer que não precisemos de ter uma outra alternativa capaz de nos preparar para entrada no mercado de trabalho, nem que fosse para trabalhar por conta própria. Precisamos é de um curso médio que nos prepare para tal pois somos capazes de nos sair tão bem quanto os outros! Temos é de ter outras alternativa. Um conselho: deixem de olhar para os nossos certificados de habilitações, se não têm empregos para nós, digam-nos quais as possibilidades existentes e deixem-nos escolher à nossa medida como fazem aos outros. Não nos descriminem só porque somos licenciados… já que não têm alternativas para estes.



publicado por fatimanascimento às 17:47
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 6 de Março de 2009
Um rissol para três

Há uns tempos atrás, estava ainda desempregada, pelo que, muitas das refeições tinham de ser bem pensadas, no sentido de gerir, da melhor forma o magro rendimento de que dispúnhamos. A primeira preocupação que tinha era a de pagar as contas relativas às despesas mensais, só depois podíamos pensar em comida. Não sobrava muito. Assim, muitas das refeições, sobretudo à noite, eram ligeiras e rápidas. Uma dessas noites, tínhamos comido sopa, e tinha fritado duas qualidades de rissóis, peixe e carne, para todos, acompanhados de pão e fruta. Os rissóis já estavam no fim, quando, alguém tocou à campainha. Os dois últimos sobreviventes, que jaziam no prato vazio, eram de peixe e carne, sendo o de peixe comido pelo rapaz e o de carne, dividido pelas duas irmãs, que, não gostando dos de pescada, dividiram entre si o último de carne. Uma vez a porta aberta, a vizinha entrou, percorrendo em passos rápidos o corredor que separa a cozinha da porta de entrada. Tive um mau pressentimento. A vizinha varria a cozinha com o olhar, enquanto falava. Estávamos na altura do Natal. Uns dias depois, ela voltava com uns sacos de compras, justificando-se com o choque que provara ao testemunhar um rissol a ser dividido por três. Ela não reparara bem, pelo que a história saíra distorcida. Não me preocupei em desmenti-la. Também não sei se adiantaria muito. Lembrei-me dos tempos em que os meus pais eram crianças e dividiam uma sardinha por três. Percebi que os tempos não haviam mudado muito desde então. O tempo passou mas os problemas não mudaram, são os mesmos. A pobreza continua e com ela os mesmo gestos, num esforço desesperado de sobrevivência. Sim, porque embora o rendimento seja menor, as contas mensais continuam a surgir com a mesma regularidade e com os aumentos nelas incluídos. Não têm coração e, por isso mesmo, são cegas. Em relação ainda aos tempos dos nossos progenitores, a única diferença será possivelmente a nossa dependência dessas contas. Vamos ao exemplo do gás. Os nossos pais e avós procuravam uns paus secos nos terrenos para acender o lume, cujas brasas eram aproveitadas para o ferro de engomar… Nós não podemos fazer isso. (Um problema criado pelo avanço tecnológico. Os pobres não podem investir na autoprodução de electricidade, que envolve um investimento significativo. Até as matas estatais, fornecedoras das amáveis pinhas, estão agora debaixo da supervisão de particulares.) Ou não devemos, embora haja quem salte as cercas em busca de lenha alheia para se aquecer. Muitas vezes, não são os necessitados que as saltam… (como eu própria já presenciei, casualmente, por duas vezes) esses resignam-se e limitam-se a escolher alternativas. Mais uma vez, estamos perante um caso onde a natureza humana é decisiva.



publicado por fatimanascimento às 23:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2009
Será pedir demasiado?

Não sei o que se passa, mas é desmotivante. Já faz um ano, desde que me demiti, em 02 de Agosto de 2007, daquela escola, e, desde então, tenho procurado emprego. Consegui alguns, para ter a prova que o mau ambiente vivido naquela escola se pode multiplicar por mil ou mais, com a agravante de que aquelas são pessoas licenciadas, pelo menos a maioria delas, mas a formação moral e cívica não ultrapassa a daquelas que trabalham na cozinha, ou num lar de idosos, etc., com uma formação que não chega à escolaridade mínima obrigatória, salvo raríssimas excepções. Uma das minhas preocupações foi inscrever-me não só no Centro de Desemprego e Formação Profissional, assim como nos sites existentes e cuja função é a de recrutar pessoas para as propostas de trabalho oferecidas. Estas ideias são excelentes, mas o problema é que não funcionam. Pelo menos comigo! Recebi há pouco uma oferta que me interessou e candidatei-me. Preenchi o formulário até ao fim e carreguei no botão electrónico enviar. Foi aqui que começaram os problemas. Pediam-me que escolhesse uma língua, eu escolhi, pediam que escolhesse o nível da mesma, assim fiz, pediram-me a palavra passe, introduzi-a. Carreguei novamente no botão enviar. Mas o teimoso formulário recusou-se sempre a ser enviado, mantendo-se desafiadoradamente, diante dos meus olhos. E não foi mesmo. Passados minutos, voltei a tentar. O formulário embirrou com o nível de língua. Recusou-se a partir. Contactei a infoemprego.pt contando-lhes o que se havia passado. Esse formulário partiu! Mas posso ter já perdido uma boa ocasião de conseguir trabalho. Depende da brevidade com que me responderem. Mas não tenho ilusões. Um ano de desemprego fez-me a abrir os olhos para muitos problemas que eu sei que não terão resposta breve. Se juntarmos a este problema o outro site também referenciado pelos Centros de Desemprego e Formação Profissional, que eu sei que também apresenta falhas, eu própria já experimentei, os desempregados estão a braços com outro problema, para além da sua situação difícil de desemprego. Agora, resta-me esperar, para perceber o que se passa, e como posso resolver esse problema, que em tudo se assemelha a problema informático. Já que criaram estes sites, ao menos que funcionem convenientemente. Será pedir demasiado?



publicado por fatimanascimento às 20:39
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Desemprego e internet

O desemprego docente e o ...

Licenciados e desemprego

Um rissol para três

Será pedir demasiado?

A ideia errada do que é e...

Adeus aos vinte anos…!

Os números que contrariam...

A (in)segurança social

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds