mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...

Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014
A prisão dos activistas do Greenpeace
O planeta não é de ninguém. Não foi criado por seres humanos. Foi criado para os seres humanos. É de todos. A natureza não tem fronteiras. É universal. O Homem é só um dos muitos inquilinos. Os homens levantaram fronteiras imaginárias. Pintaram-nas no mapa. Mas estas só existem aí. Os seres humanos reclamam a posse de tudo quanto está dentro dessas fronteiras. Talvez imaginando que nada nem ninguém poderá, sem consentimento, interessar-se pelo que lá se passa. Ideia estranha.
As maiores interessadas, por esta ideia compartimentada do mundo, são as multinacionais que não respeitam regra alguma que a da sua própria ganância. E esta, sabemo-lo bem, sempre foi a perdição do ser humano. Os países, pelo menos alguns, parecem apoiar esta política ultrafronteiriça daquelas companhias. Mas o planeta é dos que a habitam. E, quando existe um problema ambiental, este não se cinge às fronteiras do país responsável pelo desastre. As armas químicas usadas na Síria ou na Guerra do Iraque contendo materiais letais criados em laboratório com o único intuito de matar seres humanos, não ficaram confinados ao ar desse país. Os ventos semeiam essas armas letais pela atmosfera do planeta. O mesmo acontece com as matérias poluentes levadas pelas correntes marítimas. Ora, tendo consciência disso, percebe-se que o que acontece do outro lado do mundo não deixa impunes as pessoas do outro lado do planeta. E não se conhecem as consequências dessa rotatividade. Logo, pode-se dizer que o planeta é uno apesar do que defendem e nos querem fazer crer as autoridades dos diferentes países. Visto este assunto por este prisma, podemos perceber que os activistas do movimento Greenpeace (e outros) defendem algo que é património de todos os seres humanos. Representando, e defendendo, um total de biliões de pessoas não se pode dizer que esteja a cometer um crime aos olhos da humanidade quando se insurge contra a perfuração do Ártico ou outras matérias ambientais. Está a defender a pátria máxima que é o planeta. A natureza é a nossa casa. Não poderemos sobreviver com ela suja. Não sobreviveremos com ela morta. Ninguém. O dinheiro não consegue tudo. Daqui poder-se-á inferir que os activistas deveriam ser homenageados pela coragem não fosse a política das multinacionais, apoiada por alguns países. Só à vista destas e da sua ganância se podem criar acusações absurdas que mais não fazem do que tentar amedrontar os cidadãos do mundo usando estes como exemplo e querendo, sem motivos aparentes acusá-los dos mais variados crimes (já terão chegado a um consenso ou ainda andam à procura de acusações que se possam encaixar naquela situação?) É vergonhoso! É o ser humano a agir numa das suas formas mais vis. Vamos actuar e apoiar estes activistas ou vamos deixar que nos amedrontem e ficar calados pactuando com esta situação ignóbil? É a nossa vida e a nossa sobrevivência que está em jogo não é só a vida deles!


publicado por fatimanascimento às 23:38
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 8 de Janeiro de 2011
O que se passa...

Quantas vezes já nos sentimos estranhos na nossa terra e “em casa” fora dela? Quantas vezes já sucedeu o contrário? Parece não haver regras para nada. Pelo menos, quando pensamos na vida! Há sítios onde somos bem recebidos e outros há em que parece que só a nossa presença já incomoda. O que pensar destas ocasiões, quando sabemos que não fizemos e não fazemos nem faremos mal a ninguém, que só queremos viver em paz a nossa vida sem qualquer outra pretensão? O que faz com que certas pessoas nos prejudiquem, quando nunca lhes fizemos mal algum? O que será? Se o conjunto dos nossos actos não praticamos mal algum que possa, directa ou indirectamente, prejudicar alguém, por que é tão difícil a convivência com aqueles que são diferentes de nós? Por que é tão difícil essa convivência da parte deles? Por que têm de nos derrubar, pelo menos, de vez em quando? O que temos nós que tantos incomoda? Ou será que só aquilo que somos os incomoda? O que fazer nestas alturas? Como reagir com certas pessoas para que nos deixem viver a nossa vida sem nela criarem problemas? Vamos deixar de ser aquilo que somos e imitá-los só para que se sintam satisfeitos e não tenham a ideia de que somos melhores do que eles e se sintam incomodados com isso? Por que nos fazem sentir mal só pelo facto de sermos diferentes? O que os incomoda tanto a ponto de nos fazerem sentir parte de uma outra equipa que não a deles, quando não é isso que procuramos ou queremos? Por que nos fazem sentir como uma minoria, ou mesmo seres abjectos, quando sabemos que há mais pessoas como nós? Por outro lado, o que faz com que outras pessoas nos recebam de braços abertos, sempre que aparecemos e se sentem “em casa” connosco? Por que é que estas pessoas não se incomodam com o que somos e convivem bem com esse aspecto sentindo-se até gratas por nos terem como amigos e/ou conhecidos? Por que se unem a nós fazendo-nos sentir parte de um todo, de uma família, onde todos têm o seu lugar por excelência sem degraus capazes de demarcar seja que diferença for entre eles? Por que é que, com certas pessoas, a vida é sempre uma festa ao passo que, com outras, a vida está sempre cheia de lodo onde nos podemos enterrar a qualquer momento? Qual a diferença básica e essencial que existe entre uns e os outros e que faz toda a diferença? O que faz com que uns, e usando a linguagem física pareçam objectos de sinais positivos e outros de sinais negativos incapazes de se atraírem? O que faz com que os seres humanos, também eles matéria, não obedeçam às leis físicas da natureza e se comportem como água e azeite incapazes de se misturarem? O que se passa connosco, os seres humanos? Onde reside essa diferença?



publicado por fatimanascimento às 20:51
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009
Não pertencer a lugar nenhum…

Sempre defendi que a nossa “casa” é o local onde nos sentimos bem. Entenda-se casa como um local qualquer do mundo. O que interessa é sermos felizes. Mas é isto que não acontece. Os locais mais parecidos com o paraíso estão a corromper-se. E não me venham dizer que tudo depende de nós. Não, não é assim. E tenho conhecimento de imensos casos que sustentam esta minha afirmação. Cada vez há mais pessoas que não se integram, que vão para o trabalho forçadas, parecendo espectros ambulantes, comandadas por medicamentos que lhes dão o ânimo há muito desaparecido. Cada vez há mais pessoas com problemas… Ora, o que faz com que nos sintamos em “casa” é o amor, nas suas mais variadas manifestações – amizade, solidariedade, etc. Se olharmos para o casamento onde este sentimento é unilateral. O que ama sente-se em casa (pelo menos até se aperceber de que não é amado), o outro não. Sendo este um sentimento quase em vias de extinção, uma vez que parece não ir muito além dos laços fortes entre pais e filhos, logo, percebemos que não é difícil sentir que não pertencemos a lugar nenhum. Quando nem neste ínfimo núcleo da sociedade se encontra esse sentimento, facilmente se compreende que, e independentemente do que possa ter acontecido em séculos anteriores, (o que não justifica tudo, para não dizer que não justifica nada), estamos a passar por uma crise social muito grave, onde o sentimento que nos faz sentir como membros de uma sociedade parece estar a esgotar-se. Já não olhamos o próximo como uma extensão de nós próprios, mas como uma possível ameaça, depois de muitas más experiências com pessoas sem escrúpulos. A nossa fé no ser humano está a desaparecer. Não quero com isto dizer que não haja pessoas boas, que as há, e são quase invariavelmente estas as maiores sofredoras, mas calam-se. Não é por acaso que se ouve dizer que as pessoas más são felizes e as outras não. Não será difícil de perceber a razão. Há pessoas que, só por existirem, parecem incomodar os outros que não perdem tempo a demonstrar-lhes a sua antipatia, até nos mais ínfimos pormenores, quando não os prejudicam. Assim é difícil sentirmo-nos em casa. Só quem prejudica se sente em casa, já que nunca o faz sozinho, estando sempre acompanhado de um exército protector. Isto não se aplica só às relações laborais, mas a todas as outras. Só encontro o tipo de relação ideal nas tribos americanas ainda não corrompidas com os falsos valores. Mas até estas correm o risco de serem dizimadas. Olhando para as suas relações, sente-se um equilíbrio a todos os níveis que não se consegue em qualquer outra parte do mundo já corrompido. Tenho um amigo que já não vejo há muitos anos. Ele tirou o mestrado (e não sei se o doutoramento) e, segundo vozes conhecidas, não abdicou do seu sonho: viver com as tribos amazónicas. No início não percebi porque é que alguém com aquele percurso académico se queria esconder nas florestas amazónicas. Primeiro, o amor de uma mulher que se refugiou lá, depois, o equilíbrio e o bem-estar que lá se vivem. E há tanto a aprender deles… Os que não podem fugir, têm de se ir contentando com os comprimidos que lhes dão forças para aguentar o quotidiano que pouco ou nada lhes diz e encontrar compensações para enfrentar o ambiente fortemente negativo em que se encontram envolvidos. Como me dizia alguém sobre a vida “ Não é como nos filmes: O Bem nem sempre ganha; às vezes, é ao contrário, ganha mais vezes o Mal.”



publicado por fatimanascimento às 14:03
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 16 de Outubro de 2008
A maneira errada de chamar a atenção...

Já todos fizemos isso… já todos fizemos asneira com isso e já metemos os outros em sarilhos por causa dessa necessidade que todos nós, especialmente na infância, de querer chamar a tenção dos crescidos. O que alguns talvez não soubessem, ou não quisessem saber, era das consequências que essa maneira errada de chamar a atenção pode trazer sobre alguém… O que nos leva a tomar tais atitudes? Não sei… jugo que cada um encontrará a resposta dentro de si, por mais complexa que ela possa ser. Mas que existe esta forma errada de chamar a atenção existe com consequências mais ou menos graves ninguém duvida. Também há excepções: aqueles que nunca tiveram muita atenção e já perderam essa esperança de alguma vez virem a tê-la e que se remetem ao seu lugar onde permanecem esperando, muitas vezes, que os deixem passar despercebidos, uma vez que a atenção que lhes era atribuída estava longe de ser a ambicionada. Passou-se um caso destes comigo. Havia uma vizinha e ex-colega minha que era nitidamente a preferida do pai (era a mais nova de dois filhos) que esperava grandes feitos daquela filha. Era a melhor aluna, para mim, embora houvesse outras também muito boas, que muitas vezes, a ultrapassavam nas notas. Aquando da realização do exame da quarta classe, ela ficou doente, e pediram-me que lhe desse um recado sobre o artefacto manual, que deveria vir quase feito de casa, uma vez que o tempo disponibilizado para a realização do mesmo era pouco. Era a última prova, uma vez que todas as outras já haviam sido realizadas. Eu era e sempre fui muito distraída, pelo que me esqueci de transmitir a mensagem. Na véspera do exame, à noite lembrei-me, já tarde, e pedi para ir a casa dela. A minha mãe não deixou. No dia seguinte, eu esqueci-me como que por magia, e só quando uma colega nossa se juntou ao grupo eu aterrei. A aflição tomou conta de mim. Essa colega resolveu prontamente o problema emprestando à lesada um artefacto que começara a fazer, mas que deixara a meio. Tinha um defeito mínimo. Uma das professoras que fazia parte do júri notou, mas a minha professora diminuiu o efeito da descoberta. Fui trucidada pelos pais dela, quando estes descobriram que eu tinha tido uma nota superior à da filha. Acusaram-me de a ter prejudicado intencionalmente. Eu e umas colegas tínhamos ido a casa dela levar a notícia da passagem. Fui escorraçada logo seguida das colegas impressionadas com a cena. Até a minha mãe se viu envolvida no escândalo! Mais tarde, quando falaram com a professora, ela explicou-lhes e mostrou-lhes como a filha falhara, ingloriamente, na prova escrita de matemática. Os pais, passados de alguns dias, perceberam o que se passara e falaram com ela. O pai, que sempre me odiara, inexplicavelmente, explicou à filha que embora ela estivesse a passar por uma fase que necessitava de mais atenção, não tivera razões para arranjar todo aquele problema, que até eu sabia que ela era a favorita do pai e mostrou-lhe como ela falhara no raciocínio devido à insegurança de não se ter preparado devidamente para ela. Ela aproveitara-se da situação e do ódio do pai por mim para armar aquela cilada. Fui ilibada das acusações, mas foi difícil. Não foi a primeira e não foi a última que sofri, mas tive a sorte de a verdade vir sempre ao cimo, graças a pessoas preocupadas com a injustiça dos acontecimentos. Tive sorte! Foi graças a essas pessoas atentas que eu saí menos traumatizada dessa e de outras situações, mas esta maneira errada de chamar a atenção continua ainda e continuará pelo que há que estar atento para evitar que tanto os ofensores como os surpreendidos ofendidos possam ultrapassar com o mínimo de sequelas essas situações. Afinal, são só crianças… e estão a aprender a viver! A preocupação deverá estar na prevenção e correcção deste tipo de situações, evitando que elas cheguem à vida adulta. Não preciso de explicar a razão…

A minha filha mais nova é que tem razão quando diz “Mãe, mimo!” quando precisa de carinho. É tão mais simples!

 



publicado por fatimanascimento às 11:59
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 10 de Maio de 2008
O Fisco

 

O ano passado foi o ano activo do fisco. Teve a ver com a compra de imóveis. E teve graça… Nós que estamos habituados a cumprir com as nossas obrigações fiscais, e não temos meios de fugir a ele, já sabemos o que nos espera e, já há muito, que nos conformámos com isso. Há uns anos atrás, eu comprei a minha casa e insisti com o vendedor, até porque tinha o dinheiro a contar com a escritura, em cumprir com o dever fiscal. O empreiteiro negou-se terminantemente argumentando que, dessa forma, não valia a pena trabalhar porque o que ganharia com a venda do imóvel iria, quase todo, para as mãos do fisco.  Preferia não vender. A intervenção de uma pessoa, junto dele, alertou-o para o facto de ele estar a declarar muito pouco e que, dessa forma, seria alvo de uma inspecção, caso a houvesse. Ele subiu o valor da casa. Eu queria pagar tudo, porque não era muito mais. Chegados a este ponto, o homem quase voltou costas e se foi embora. Passados alguns anos, não muitos, ele foi intimado pelo fisco a pagar cerca de 15.000 euros. Eu, que não tive culpa nenhuma no assunto, tive de pagar, também. Por sorte, o valor não era alto, uma vez que o valor declarado por ele, estava perto do valor da casa. Paguei a dívida, bem com a minha consciência, por ter ficado livre de um encargo. Passados uns meses, recebi outra carta do fisco. “O que quererão eles desta vez?”, pensava com os meus botões, irritada. Não pagara já o que tinha a pagar? Ao que parece, não. Ainda havia o imposto de selo, que não ficara incluída na outra conta. A quantia, não sendo exagerada, não era, contudo, baixa, para os tempos que vão correndo. Guardei a carta. Passado algum tempo, paguei esta quantia no Multibanco, já em cobrança coerciva, tendo tratado tudo através do site do próprio fisco. Tudo regularizado. Encantada. Hoje de manhã, quando vou retirar o correio da caixa, fui surpreendida com uma nova carta do fisco. Acaso haveria ainda outro imposto a pagar para além do imposto de selo? Abri a carta. Através de uma redacção melíflua, o fisco aconselhava-me a pagar voluntariamente a dívida  (que já não existe!)”de valor relativamente pouco significativo”, para evitar “penhoras e vendas de bens” que “agravariam significativamente a dívida”.  Não li o resto. Fiquei, estupefacta, a olhar para o conteúdo da carta. Corri ao dossier onde guardo a papelada relativa a este e a outros assuntos, envolvendo dinheiro, como é o caso da factura da água, luz, telefone, etc.. Lá estava a carta, juntamente com a cópia impressa do modelo respeitante ao pagamento de dívidas fiscais, retirado do mesmo site, e com o papel do Multibanco, que prova o pagamento da dívida. Ora, este pagamento já foi efectuado no passado mês de Abril, como é que, passados quinze dias após o pagamento, ainda recebo uma carta destas? O sistema informático deles não tem cruzamento de informação que lhes permita verificar o pagamento da dívida, antes de enviar semelhante carta? Depois, acho que percebi porque é que, ao fisco, só interessaram as escrituras realizadas nos cinco anos anteriores: fizeram as contas e dava-lhes perfeitamente para obterem as receitas que precisavam para tapar algum buraco orçamental. Tenham cuidado os outros. Ainda ninguém está livre. Se houver outros buracos financeiros, a inspecção pode subir ainda mais uns anitos na escala do tempo. Só espero é que a justiça fiscal tenha sido igual para todos, e não se tenham ocupado só com alguns.

 

Fátima Nascimento



publicado por fatimanascimento às 09:26
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?


mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

A prisão dos activistas ...

O que se passa...

Não pertencer a lugar nen...

A maneira errada de chama...

O Fisco

O fim da Casa Pia?

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds