mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Quinta-feira, 9 de Outubro de 2014
O cavalo possuído

Uma tarde, o meu pai chegou a casa e disse que um senhor o tinha convidado para visitar a sua quinta. Nós iríamos também. A minha mãe, que arrumava a cozinha, franziu o cenho. Não lhe agradava ideia. O meu pai insistiu. O homem precisava de ajuda! Um amigo do meu pai falara ao senhor do grande espírito da filha. Apresentara o problema ao meu pai. Este, sempre pronto a ajudar, aceitara. Talvez pudessem perceber o que se passava com o animal. Lá fomos.

O céu primaveril mostrava um céu tingido de nuvens. A quinta ficava na ponta norte da vila, não muito longe do prédio onde vivíamos. O acesso era íngreme e entrámos num portão largo. De um lado, a casa e, a alguns metros da mesma, a cavalariça.

Depois de uma visita rápida pela quinta, os nossos passos desviaram-se para o alvo da nossa visita – a cavalariça. Era um edifício moderno, espaçoso e arejado. Os fardos de palha encostados à parede precediam as baias onde os cavalos dormitavam na penumbra. O corredor abria-se à nossa frente. Do lado direito, dois animais mansos tiravam partido da calma da tarde. Mais à frente, do lado oposto um cavalo solitário. Aproximámo-nos. O cavalo soltou um relincho nervoso enquanto os olhos poisados em mim, pareciam querer solar-se das órbitas. Os adultos calaram-se tentando perceber o eu se passava. O nervosismo do animal acentuava-se. Os olhos pareciam colados à coroa da minha cabeça. O meu pai, frustrado, não conseguia perceber o problema que enlouquecia o animal. O homem concordou aparentemente rendido também. Continuaram a conversar ignorando os relinchos enfurecidos do animal. Foi então que percebi, pela minha visão lateral, que o homem se concentrava na minha pessoa. A minha mãe, incomodada com o ruído ensurdecedor do animal, caminhava para a saída. Eu não me conseguia mexer. Uma força invisível imobilizava-me. O terror ameaçava tomar conta de mim. A voz do animal parecia forçar a sua entrada no meu corpo. Algo em mim se debatia tanto quanto aquele animal. Era como se uma força saísse do animal e tentasse entrar em mim! Um duelo estranho e desigual. O olhar do homem colava-se intensamente também em mim enquanto o meu pai conversava distraidamente com ele. Finalmente, o homem descontraiu o corpo num gesto de desistência. Encaminhámo-nos rapidamente para o exterior. A minha mãe passeava meditativa. O homem despediu-nos rapidamente. Tinha um compromisso. Reencontrámos, sozinhos, o portão. O pequeno Mini esperava-nos.

De regresso a casa, os meus pais conversavam enquanto viam o filme espiritual da visita à quinta. A minha mãe não gostara da visita. Até que perceberam algo de estranho na atitude do homem. Ele percebera o que se passava com o animal! Mais! Ele tentara passar a energia incómoda, que perturbava o animal, para mim! Os meus pais entreolharam-se, horrorizados! Eu bem que não queria ir, dizia a minha mãe, algo me dizia que não era boa ideia! O meu pai ainda não se recompusera da descoberta feita.

Olha o que aconteceria à miúda, volveu ele, com uma perplexidade horrorizada.

Anos mais tarde, o meu pai contou, na minha presença, a um grande amigo seu que, ao ver o filme espiritual, corroborou as suspeitas dos meus pais. Calaram-se, aterrados com a audácia do homem para a realização do mal. Optara por prejudicar uma criança para salvar o animal, símbolo da sua vaidade.



publicado por fatimanascimento às 13:13
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds