mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Sexta-feira, 4 de Setembro de 2015
Eleições e pensamento

Todas as maiorias ou as minorias emparceiradas trazem todo um cortejo de clientalismo mais ou menos longo que temos de suportar durante os quatro anos seguintes às eleições. Não são só os rostos visíveis, há toda uma corrente subterrânea que é catapultada com eles! E atenção a estes porque fazem toda a diferença na vida de uma pessoa... Há instituições mais ou menos abertas ou mais ou menos inovadoras consoante a natureza das pessoas que ocupam esses lugares menos mediáticos cujo acesso já foi explicado atrás. 

 

Também já tinha percebido que nós só somos pessoas enquanto precisam do nosso voto. E depois disso?Somos apenas um número mais... Não sabem que existimos e duvido que queiram saber... Em Junho soube que ficaria mais um ano no desemprego, o segundo. No primeiro ano, e depois de um tempo a lutar contra uma aplicação electrónica, que por vezes gravava a informação e outras não, acabei por não conseguir submeter a candidatura e... fiquei excluída dos concursos. Este ano, (para evitar a repetição do erro) depois de ter ido ao ME pedir ajuda devido à mesma aplicação (o último ano que lá me desloquei ainda havia computadores à disposição dos professores que não tinham as condições técnicas ideais para se candidatarem por essa via e até pessoas disponibilizadas para facultarem ajuda com o software da aplicação. Mas isto creio que foi antes da mudança política). O meu espanto foi imenso. Não só não havia computadores como a ajuda era só uma mera explicação. Mesmo entendendo que a dificuldade era técnica disseram-me que pedisse aos vizinhos, amigos ou conhecidos para usar o computador deles. Que me desenrascasse, foi o que me foi dito. E se o problema se repete, como faço? Encolheram os ombros. Desorientada desabafei com a recepcionista. Esta já assistiu a tudo durante o tempo que lá está.  Muito amavelmente procurou na net um local perto do ME onde pudesse preencher os campos negados pela aplicação. Descobriu uma biblioteca em Belém. Dirigi-me ali e puseram à minha disposição um computador. O problema resistia às minhas tentativas de solução. Quando tudo me pareceu pronto, ainda havia um campo que pedia para ser gravado. Depois de várias tentativas, a aplicação deixou de pedir a gravação do campo. Estava resolvido!, pensei. Submeti a candidatura. Passados dias, a escola que faz a validação dos meus dados na aplicação, pedia outra data da conclusão do estágio que não o dia 1 de Setembro. Emendei o campo e, qual não foi a meu espanto, percebi que o outro campo pedia ainda a sua gravação. Depois de tanta insistência ainda não gravara os dados nele contidos? Voltei a carregar no botão que dizia “gravar”. Como nesta fase éramos menos, o campo pareceu gravar-se. Não houve mais problemas. Um dia, numa segunda-feira, recebo um email da subdirectora da educação, tinha sido enviado na nessa sexta pelas sete horas, dizendo que tinha até às zero horas desse dia, para aceitar a colocação em QZP, que, para quem desconhece, cria vínculo ao ME. Como verifico todas as manhãs as mensagens recebidas, aquela, enviada no final da tarde, passou-me despercebida. Com isto, perdi o vínculo, e a possibilidade de continuar em concurso.

 

Como já sou velha nestas andanças, ainda me lembro de outras eras em que o ME tinha pessoas na direcção que se preocupavam com os professores e faziam de tudo para os ajudarem. Cheguei a receber a colocação por sms no meu telemóvel e bastava conferi-la consultando as listas. (Se isto me tivesse sucedido, a verdade é que não estaria nesta situação. Eu e outros!) Lembro-me de salas com computadores e pessoas destinadas à ajuda de colegas com problemas técnicos e de software. Tudo isto despareceu. No primeiro ano (foi o ano passado) que fiquei excluída dos concursos, escrevi uma carta ao ME explicando a situação e recebi uma resposta de onde sobressaía a sobranceria e a única preocupação que era a de “sacudir a água do capote”. (Foi o ano em que as colocações ficaram tristemente célebres devido à fórmula de cálculo que fez com que professores com menos tempo de serviço passassem à frente dos outros.) Guardei essse email e não sei porquê. Talvez porque represente tudo o que uma instituição estatal não deve ser. Este ano, e depois de ter ido ao ME perguntar qual seria a “condenação” por não ter aceite a tempo a colocação e saber do desastroso resultado, ainda tenho as pessoas do mesmo órgão institucional pedindo uma carta com aviso de recepção dirigida ao directora geral para anular a “colocação obtida no âmbito do cncurso para o ano escolar 2015/2016 e da impossibilidade de ser colocado em exercíco de funções docentes durante o ano escolar de 2015/2016”. Ora, sabendo que as normas são tão claras a esse respeito, pois dizem que não sendo a colocação aceite nesse período de tempo é como se tivesse rejeitado a mesma, não entendo porque necessitam da minha carta com a intenção de a anular. Na verdade, ainda tive a esperança que tivessem encontrado uma alternativa à desgraça que criam essas normas na vida de uma pessoa. Nada. Ninguém se interessa.

 

Por isto tudo, há que pensar no que aconteceu nos últimos quatro anos na vida de cada família portuguesa e pensar seriamente se queremos continuar nessa linha. Eu não gostei da experiência que me foi altamente nociva em todos os aspectos. Fiquei com uma péssima impressão! Só espero que as pessoas que lhes sigam naquela e noutras instituições estatais aprendam que votos são pessoas e não pedaços de papel metidos numa urna. E que aprendam que conforme as tratam assim serão tratadas pois necessitam do povo para seguirem nos cargos ainda que esses cargos sejam ocupados por oferta pois essas pessoas fazem parte do clientalismo associado aos rostos que vão a votos.



publicado por fatimanascimento às 00:15
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds