mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2012
Palavra vs imagem

Há alguns anos atrás, costumava recostar-me na cabeceira da cama para ler alguns contos à minha filha mais velha – a Maria. Eram variados e ilustrados. Acontecia, muitas vezes, repetir os da sua predilecção, por exigência dela. Eu lia as histórias e ela acompanhava atentamente a narrativa pelas ilustrações. Uma noite dessas, ela interrompeu a leitura para me dizer que não estava a contar tudo! Olhei-a, incrédula! Não sabia ler ainda! Andava no infantário! De facto, algumas vezes, o cansaço levara-me a resumir as narrativas à sua linha condutora principal, contando o essencial para que a história tivesse lógica. Nunca reclamara! A certa altura, sentindo-me mal com a batota realizada, chegara mesmo a explicar-lhe o motivo que me levara a resumir as mesmas.

Ora, nessa noite, quando calmamente lhe lia uma das narrativas que ela seguia fielmente a mesma através das imagens, como sempre acontecia. Ainda não sabia ler. A certa altura, disse-me tristemente:

- Oh, mãe, não estás a ler tudo!

- Por que dizes isso? – observei admirada.

- Olha aqui! – observou apontando com o indicador alguns aspectos da ilustração – Tu não contaste isto, nem isto…

Fitei os desenhos, com curiosidade. Tinha razão. O ilustrador tinha contemplado os desenhos com pormenores que não constavam do texto. Expliquei-lhe isso mesmo. Não pareceu muito convencida. Continuámos a nossa aventura pelas páginas da história quando, a certa altura, ela se mexeu visivelmente incomodada. Eu estava a saltar linhas! Como?! Eu, a saltar linhas? Como assim?! Uma página ilustrada com aspectos que não constassem do texto, ainda ia lá, mas tantas…??? Amuou. Eu, perplexa, não sabia como descalçar a bota! Voltei a explicar-lhe que os pormenores da ilustração não estavam do texto da história. Parecia não querer saber! Por fim, como não resultasse pedi-lhe para me apontar os aspectos que eu, supostamente, tinha saltado. E ela não se fez rogada.

- Olha, não contaste este… não disseste que fez isto…

Eu olhava para o omisso texto sem saber se me devia zangar com o narrador se com o ilustrador! Quando, depois de muita luta, ela lá compreendeu e sossegou, tive uma ideia: eu contava a história e ela acrescentava os pormenores inseridos nas ilustrações. Assim foi. Até que, alguns anos mais tarde, se cansou ficando-se pela narrativa.

Algum tempo mais tarde, num teste de poesia, apresentei um pequeno poema ilustrado. Qual não foi a minha surpresa quando, grande parte das questões estavam mal respondidas. Ao olhar para a ilustração, percebi o erro! Tentei, contudo, indagar junto deles a razão do seu insucesso. Tinha sido a ilustração! Em vez de ler, muitos tinham seguido a ilustração! Resolutamente, retirei estas dos testes! Nunca mais! Daí em diante, deixaria tudo à imaginação/interpretação dos alunos. Mais recentemente, quando lia, numa “Hora do Conto”, “O Bojador” de Sophia de Mello Breyner Andresen, um colega, acompanhou com imagens retiradas da net, a minha representação. Nada podia surtir pior efeito nos alunos! Num momento que se queria imaginativo, a atenção passou para as imagens! Estava engraçada, a ideia, mas eles dispersaram-se completamente! Atiraram para segundo plano a audição da pequena peça para se focarem unicamente nas imagens. Nas outras turmas, porém, foi um sucesso. Imagens? Talvez na preparação para a leitura da obra ou para uma possível pós-leitura, mas nunca durante a mesma. Lógico que esta ideia não é regra, só experiência!


tags: ,

publicado por fatimanascimento às 18:09
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds