mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Sexta-feira, 10 de Junho de 2011
Juntas médicas

Já há muitos anos fui a uma junta médica que modificou para sempre a minha vida. Fazendo o quê? O seu dever. Não sei como evoluíram as leis desde daí. A verdade é que eles conseguiram ver acertadamente o que se passava comigo e sinto que lhes devo algo. Porquê? – poderão justamente perguntar. Repito: realizaram todos um bom trabalho. Todos eles juntos. Nunca me esqueci daquela equipa e jamais me esquecerei. Agora, ao que parece, as leis devem ter mudado. Tudo indica que sim. Os médicos que fazem parte do sistema e têm de julgar os pacientes seguidos por outros não têm tarefa fácil. O que torna tudo ainda mais difícil é o sistema que parece regulado por leis imbecis que determinam que, para terminada doença bastam um x número de dias para a recuperação. Não dão mais. Se a pessoa não recompuser nesse espaço de tempo, não há nada a fazer. A lei não dá espaço para manobras. Custa-me a crer mas estas leis só podem ter sido redigidas por pessoas de má fé ou que se estão borrifando para os outros ou pensando mesmo o pior deles. Não sei exactamente que tipo de ideias ou imagens querem passar às pessoas: as pessoas não querem trabalhar e o português é preguiçoso procurando todo o tipo de esquemas para fugir ao trabalho. O que me custa nisto tudo é que as pessoas regulam de tal forma as nossas vidas que qualquer dia não damos um passo sem a hipótese de quebrar uma lei tal ela está apertada à volta de todos os portugueses. Depois, as doenças do foro psíquico ou psicológico, que são as mais difíceis de provar, uma vez que não deixam marcas conforme acontece com as quedas ou qualquer outro tipo de violência, são vistas com olhos apertados. Desconfianças da parte de colegas ou mesmo gozo à volta do assunto mas isso a ninguém interessa porque não são essa pessoas de má vontade que governam as nossas vidas? Mas, e as outras? O que acontece quando o médico na junta percebe que o doente ainda não está preparado para enfrentar o seu local de trabalho e um trabalho que requer o melhor de cada um e se vê apertado por uma lei incontornável? O que fazer? Surgiram as mais diversas hipóteses, mas nenhuma a mais adequada. Afinal, eles não sabem o que se passa, a história que despoletou toda a doença. Por que há sempre um motivo para qualquer doença. Até mesmo a do foro psiquiátrico. E eles não sabem. Não perguntam também. Não têm tempo. Tudo é realizado num tempo apertado. Mas, no final, sabe Deus, como acabaram por tomar a decisão mais correcta. Não sei por quanto tempo. Tenho colegas que estão há mais tempo de baixa do que eu, só que pertencem a outro subsistema de saúde, será que continua a haver portugueses de primeira e portugueses de segunda neste país? Há uns anos atrás, tendo o meu filho mais velho uma doença que precisava de cuidados só providenciados por hospitais centrais, fui parar a uma ponta do país. Baseada na necessidade de cuidados constantes pedi destacamento para uma escola que permitisse o meu filho ter os melhores cuidados quando precisasse. E aconteceu. Lutei contra todas as forças que alegavam que o destacamento era só para os efectivos. Pedi a lei com o intuito de a ler. Ficaram amuados com a minha decisão. Estava a duvidar da palavra deles! Não estava nada! Achava simplesmente que era impossível haver uma lei que fizesse tal distinção. Li a portaria até ao fim e descobri uma das alíneas, mesmo no final da redacção, que me permitia aproximar-me do meu local de residência! Foi toda uma descoberta. Ninguém lera a portaria até ao fim! Agora, não sei o que se passa mas há colegas que afirmam que tudo isso que a portaria defendia se havia esgotado. Será verdade? Ainda há pouco tempo tentei aproximar-me de casa por motivos pessoais mas não havia enquadramento legal para tal. Será isto uma demonstração de que aquela portaria foi revogada? Se assim foi, que pena! Recuámos uns quantos passos para trás…



publicado por fatimanascimento às 16:10
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds