mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010
Votos de fim de ano

Já alguma vez sentiram vontade de correr para trás quando se aproxima o fim do ano? Tentar desesperadamente permanecer no ano já vivido com medo do que o próximo seja ainda pior na nossa vida? Já senti isto algumas vezes, durante alguns momentos, nesta mesma época. Sim, durante alguns momentos só, porque não podemos (nem devemos) viver dessa maneira. O ano finda, mas este momento, marcado somente na nossa imaginação, é pura ilusão. Tudo continua na mesma. Os segundos e os minutos prosseguem a sua caminhada sequencial sem que haja forma de marcar tal momento, só existente no relógio. O fim de um ano é o começo de outro. Não há interrupções. Não há uma porta que se fecha e outra nova que se abre. É só continuação. Só para nós, os humanos, existe esta barreira imaginária. Mas nada muda. Os problemas de ontem e hoje continuarão a ser os de amanhã. As pessoas não modificam só porque se abre um novo ano. Tudo fica na mesma. A modificação é algo que não existe, pelo menos neste curto espaço de tempo. Por isso, há pessoas que não gostam de celebrar a chegada do novo ano. Mas a verdade é que também não podem deixar de pedir, nos seus corações apertados, um ano melhor do que o anterior. Mas até nos pedidos as pessoas já estão mais modestas. Já não pretendem um ano novo melhor mas igual ao anterior. Talvez essa modéstia marque a falta de fé ou a consciência de que tudo, apesar da vontade se manifestar em sentido contrário, ficará na mesma ou piorará. Não falo da crise. As crises fizeram-se para serem ultrapassadas. Nada mais. Refiro-me concretamente às pessoas. Para as coisas mudarem, as pessoas têm de estar à altura delas. Mas cada vez se vê menos isso. Estas crises aparecem porque as pessoas aparentemente habilitadas, parecem não conseguir estar à altura das situações criadas por outras. Esta crise, já que falamos dela, foi criada por pessoas e tem de ser ultrapassada por outras, senão pelas mesmas. Mas a crise já não é só financeira é uma crise de valores. Estes desapareceram. E se os nossos antepassados já pagaram caro essa falha, nós continuamos (e continuaremos) a pagá-la. Cada vez com maiores facturas. Não vamos pensar que os problemas com que nos deparamos são diferentes dos que viveram os nossos antecessores. Não é. São os mesmos embora mascarados com vestes mais modernas. Se séculos não modificaram as nossas mentalidades, não será o ano novo que trará essa modificação. A verdadeira modificação passa por dentro de cada um. Há, de facto, aqueles que querem modificar e estão dispostos a isso, mas há toda uma corrente que, por estar a ganhar com as coisas tal como estão, não querem modificar nada. Enquanto a modificação não for geral, nunca conseguiremos nada. Ou então andaremos alguns anos para a frente, em termos de mentalidade, para depois, ao mais pequeno pretexto, regredirmos significativamente. Enquanto assim for, não poderemos esperar nada. Às melhoras rápidas seguir-se-ão longos períodos de crises. É este o panorama que se avizinha em cada fim de ano. Ainda assim, precisamos deste momento de formulação de votos para ganharmos ânimo suficiente para enfrentar o novo ano ou arriscaremos o desânimo total. Ainda que não acreditemos, temos de os fazer. Não temos mesmo alternativa. Só que sabemos que nem tudo está nas nossas mãos. E é talvez seja isto que nos assuste.



publicado por fatimanascimento às 14:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds