mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010
Jornalismo ao serviço da justiça

Já todos conhecemos o papel fundamental que os jornais e outras publicações periódicas têm na sociedade. Eles são os nossos olhos e os nossos ouvidos. Formulamos, muitas vezes, as nossas opiniões sobre os mais variados assuntos, assentes nas informações dadas por eles. Daí a importância que o poder político dá a todos os meios de comunicação, sobretudo à televisão, onde a informação chega a um grupo mais lato de pessoas. Daí a necessidade de se ter uma televisão pública, dependente do estado Mas há medida que o tempo passa, outros caminhos parecem abrir-se ao jornalismo, especialmente, ao de investigação. Há pouco tempo, uma entrevista dava conta desse novo ramo da investigação, liderado, nos Estados Unidos, por um famoso senhor chamado David Protess, que já salvou bastantes condenados pela justiça americana a uma pena injusta. Vivemos numa sociedade desigual e injusta. Numa sociedade destas, não admira que o crime prolifere. Quando tal acontece as pessoas, cansadas e vítimas de tanta violência, querem resultados. Muitas vezes, estes passam por justiças sumárias, apertadas pela força política sempre desejosa de apresentar resultados satisfatórios aos eleitores. Foi neste cenário que apareceu este senhor que, para além de muitos anos dedicados ao jornalismo de investigação, descobriu, dentro deste, uma área dedicada aos casos encerrados da justiça americana, mas que deixaram dúvidas. Este senhor pegou nalguns destes casos e mostrou que… a justiça tinha errado! O resultado foi amplamente positivo uma vez que salvou algumas pessoas inocentes da pena de morte e tirou inocentes da cadeia dando espaço para a descoberta e condenação dos verdadeiros autores dos crimes. Já inocentou onze vítimas de erros judiciais.  Ele fez justiça… fora dos tribunais, ajudando ao esclarecimento de certos aspectos importantes e decisivos dos diferentes processos que avaliou e das testemunhas que entrevistou. O que faz ele que os seus congéneres não fazem? Um autêntico jornalismo de investigação, isto é, um jornalismo independente que não se baseia nas investigações policiais. Depois destes êxitos, pessoas de todo o país procuram-no para que tome em mãos casos que lhe contam, o que mostra que, depois do que fez, há, provavelmente, muito ainda para fazer. Mas, como para tudo, há um lado negro no seu brilhante caminho: os inimigos involuntariamente angariados. Nas suas investigações, houve pessoas que se sentiram expostas com a ilibação dos condenados uma vez que os casos foram tendo consequências imprevisíveis para os actores da justiça, uma vez que aquela hipótese estava longe dos seus horizontes.  Errar é humano. Todos erramos. O perigo reside em não se querer assumir o erro. Assim, há algumas vozes que se juntam pondo em causa o seu trabalho. O que custa é a difamação que só serve para pôr em causa o trabalho honesto de alguém. Já foram intimados a explicar os seus métodos de investigação. Mas como quem não deve não teme, é tudo só uma questão de tempo até este tipo de trabalho ser completamente reconhecido. Por cá, como não somos propriamente ícones emblemáticos na aplicação da justiça, fazia jeito alguém assim…



publicado por fatimanascimento às 07:43
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds