mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009
O ideal da independência

O que sempre me atraiu nos outros países, não é só a paisagem mas todo um mundo cultural subjacente a ela. Conhecer novas línguas, novas pronúncias, enfim tudo aquilo que diferencia e logo caracteriza como país – a sua individualidade cultural. Confesso que não sairia do país se soubesse que o que lá iria encontrar é igual ao existe no nosso país. É isto que nos enriquece como pessoas - a diferença. Quando tive ou tenho oportunidade de sair e estabeleço alguns laços de amizade, sinto nas pessoas uma curiosidade sobre o nosso país que recai também sobre a nossa língua. Muitos querem saber como é esta ou aquela palavra em português para exprimir certo sentimento ou ideia, sentindo-se fascinados pela diferença. Lembro-me de, aqui há alguns anos atrás, um rapaz do país vizinho, pouco mais velho do que eu, pensar que a língua da Catalunha era muito semelhante à portuguesa. Talvez o ideal da independência o fizesse olhar para nós portugueses com um carinho que não nutria por Castela. Mais recentemente, conheci uma moça galega que também dissocia a cultura da sua província da Castelhana, dando voz a toda uma cultura galaico-portuguesa comum à história de ambas as regiões, em determinada época da história. Mais uma vez tive de defender que não tinha a certeza de que assim fosse. O castelhano invadiu todas aquelas regiões e as semelhanças que eles querem ter connosco são cada vez menos perceptíveis, quase não existindo. O que eles admiram em nós é o facto de sermos um país independente de Espanha, há imensos séculos (exceptuando o período de sessenta anos sob o domínio filipino). A nossa língua, factor essencial na nossa independência, embora muito semelhante ao Castelhano tem características e pronúncia próprias que aqueles adolescentes admiram. São jovens de gerações diferentes mas orgulhosos das suas diferenças culturais que os individualizam da restante Espanha. Ambos conseguem ler o português sem grandes problemas, esquecendo-se das semelhanças do castelhano ao próprio português. Ambos vêem nestas diferenças mais do que razões para fundamentarem as suas aspirações a uma possível independência. Falta a vontade política. Ambos conhecem o desespero do país Basco cuja cultura e cuja língua nada têm de semelhante a Espanha e a França, constituindo todo um mundo à parte. Nota-se a diferença quando saímos daqueles países e mergulhamos naquele mundo cultural com raízes que ascendem ao período pré-romano e que nada tem a ver com os dois países pelos quais se encontra dividido. O ideal de independência custa vidas: morreram imensos castelhanos, que quiseram subjugar o povo português, na tentativa de integrar o seu território nas suas muitas províncias, e muitos portugueses para manterem a independência de um território que durante muito tempo aprenderam que lhes pertencia, não por ordem genealógica da realeza mas por vontade popular. Durante todo este tempo, Portugal manteve-se independente graças à vontade de um povo que teimou em acarinhar uma língua com uma estrutura, um léxico e uma pronúncia diferentes. E não é só o caso do nosso país, há muitos casos por essa Europa fora. A única diferença é que uns além da vontade tiveram sorte, outros nem tanto. Este ideal não morre, ao contrário do que se possa pensar, passa de geração em geração e assume contornos mais ou menos pronunciados em determinadas épocas. Mas não morre.



publicado por fatimanascimento às 18:12
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds