mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008
Perseguição

Falando há um dia atrás com uma pessoa conhecida, de há muito tempo, e que insinuava que a minha saída do ensino poderia ter tido outros motivos que não os verdadeiros, resolvi, de uma vez por todas, esclarecer totalmente a situação.

Não vou contar tudo, porque seria impossível, mas algumas situações bastante elucidativas de situações impensáveis, pelas quais eu passei. Ao princípio, os colegas da nova escola, onde fui colocada, por destacamento, mostraram-se simpáticas. Pareciam uma família. Depois, à medida que o tempo foi passando, o cerco foi-se apertando à minha volta, buscando incessantemente um mínimo deslize para me prejudicarem. Nessa escola, eu tive uma turma de CEF, onde havia miúdos referenciados por vários problemas: roubos, droga, etc.. Como desde que entrei para o ensino tive sempre as piores turmas, expliquei que teríamos de agarrar a turma para bem deles e nossa. Não seria possível. As turmas de CEF eram olhos do Ministério da Educação, pelo que não se tocaria nos meninos. Quando diziam alguma coisa no sentido de os intimidar, logo desdiziam porque afinal, as coisas até não se passavam assim. Vi o Director da turma atrapalhado, dizendo que daria o dito por não dito, e que seria comunicado aos miúdos que tudo não tinha passado de uma brincadeira. Isto durou até ao meio do ano lectivo, quando começaram a chegar notícias de suspensões e até de expulsões de outras escolas, relacionadas com as turmas de CEF. Foi aí que começaram, então, a ser severos com os alunos. Numa actividade organizada por mim e por outra colega, eu levei essa turma de CEF, ocupando lá a nossa hora e meia lectiva. Um cesteiro dava-lhes uma ideia de como se fazia as mais diversas peças em verga. Um deles brincava, de vez em quando, com uma verga, fazendo cócegas na cara ao senhor. Quando o chamava à atenção, ele parava, para continuar assim que me distraía. Perguntei ao cesteiro se ele o estava a incomodar. Respondeu-me que não, que eram miúdos… Passado pouco tempo, realizou-se um conselho disciplinar, e do relatório constava essa situação supracitada. Fiquei estupefacta. Perguntei ao conselho de turma, ali reunido, como era possível constar tal situação, se eu não havia feito participação disciplinar da ocorrência. Um membro do conselho executivo respondeu que alguém assistira e resolvera incluí-la no relatório. Haviam passado por cima de mim para atingirem o aluno! Em quase vinte anos de ensino, nunca experimentara nada assim. Ainda durante essa actividade, eu levei outra turma de oitavo ano. Os miúdos adoraram. Uma das miúdas disse-me que iria pedir à professora de inglês para continuar lá. Qual não foi o meu espanto, quando vejo entrar a professora dessa disciplina pela biblioteca dentro, (estávamos em pleno mês de Junho) gritando com os miúdos e questionando o que faziam eles na biblioteca àquela hora. Tinham falta colectiva e rematou com uma pergunta que não passou despercebida "Quem os trouxe para aqui?” Percebi que ela chegara finalmente ao ponto que a levara até ali. Voltei-me para os miúdos e disse-lhes que não temessem porque eu, como responsável, assumiria essa hora, colocando um artigo 102. Alguns alunos recusaram a minha proposta. Alguém me dizia “Deixe lá, professora, nós já não gostávamos nada dela, e agora é que ela não tem mesmo hipótese!” Finalmente, a Directora da Turma resolveu o problema ignorando o sumário onde constava a informação da falta colectiva dizendo, muito diplomaticamente, e a medo, que não lia sumários só tirava faltas, dando assim por terminado um escândalo que ameaçava galgar os muros da escola. Finalmente, arranjaram-me uma falta injustificada, que me foi comunicada dezassete dias depois. Por tudo isto, e não é tudo, e apercebendo-me do tipo de inimigo que tinha pela frente, achei que, por muito que me custasse, tinha de sair dali, porque a perseguição assumira proporções que há muito ultrapassara aquilo que seria razoável. Percebi que nem tudo depende só de nós. Não há nada a fazer, quando as pessoas colocam na cabeça que alguém é melhor do que elas, podendo mesmo até nem ser verdade, mas quando isso acontece, a inveja faz despoletar todos os mecanismos, capazes de prejudicar seja quem for. Aos miúdos fica o meu abraço, aos colegas daquela escola, o meu esquecimento.

 



publicado por fatimanascimento às 12:46
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds