mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Terça-feira, 15 de Julho de 2008
Nojo

 

Sempre entendi os outros como um prolongamento de mim própria. Somos todos seres humanos, fisicamente todos somos semelhantes: uma cabeça, um corpo, duas pernas, dois braços, pés e mãos. Julgo que, mesmo que visse um ser diferente de mim, não estranharia. Aliás, sempre me lembro de ser uma gaiata muito voltada para o espaço, que sempre me fascinou e intrigou. Não era em vão que eu queria ser astrónoma. Sempre tive um espírito muito aberto e procuro sempre mantê-lo assim.

Quando era pequena, lembro-me de não ter nojo ou medo de praticamente nada. Tudo quanto mexia na natureza, eu tocava e agarrava. Lembro-me das lagartixas e das osgas, duas vizinhas menos apreciadas por mim. Nunca me ocorreu apanhá-las. Limitava-me a observá-las, quando elas nos presenteavam com uma visita ao sol, em cima dos muros quentes e caiados. Com os meus pequenos vizinhos, e companheiros de brincadeiras, acontecia o mesmo. Não tínhamos medo ou nojo de nada. Quando algum de nós tinha um rebuçado na boca, partia-o com os dentes e distribuía-os por nós. Nós aceitávamos com agrado e colocávamo-lo na boca sem qualquer espécie de problema. Havia, na altura, vizinhas que nos alertavam para as doenças ou outras complicações que poderiam resultar dessa troca. Nunca ligámos a isso. Nós sentíamo-nos como que um prolongamento dos outros. O que acontecia a um de nós, era um problema de todos. Lembro-me de uma vez, no regresso do ciclo, ter sido abordada por uma cigano, ainda jovem, que me apontava com o dedo indicador, e dizia: “Foi esta!” Eu nunca vira o rapaz na minha vida. E o caso estava a ficar feio, quando um vizinho meu e amigo se acercou, conheceu o rapaz cigano, percebeu o que se passava e lhe explicou que não era eu. Percebi quanto o cigano o respeitava, porque acatou a sua explicação. Os mais velhos que, entretanto, se aproximavam do grupo que se avolumava, desmobilizaram, e o rapaz, pediu desculpa e seguiu o seu caminho. Agradeci ao Majó, sem perceber ainda o que acontecera. Tratara-se, segundo ele, de uma confusão. Ele já a desfizera. Não deveria pensar mais nisso

Com os meus filhos aconteceu o mesmo. Desde pequenos que sempre partilharam tudo, mesmo o que tinham na boca. Mas, cada vez mais, são as vozes que se levantam, tentando evitar que esse tipo de experiência seja evitado. Eu defendo o contrário. As crianças, tal como eu e os meus amigos de infância, elas também precisam de experimentar essa partilha, esse aconchego do próximo e ao próximo. O pior é que essas vozes são muitas vezes respeitadas, acabando por influenciar pessoas mais vulneráveis, que acabam por sublinhar essa ideia. Noto que isso acontece cada vez menos, e é uma pena, porque nós, seres humanos, só tínhamos a ganhar com isso.



publicado por fatimanascimento às 21:51
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Agosto 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

Evolução

Eleições e pensamento

Fiadores

Nova forma de trabalho es...

Combater a natureza com a...

arquivos

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

Devemos ser mesmo maus na...

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds