mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014
Fome

O meu pai costumava contar uma história que dava que pensar. Contava que um trabalhador andava à procura de trabalho. Como era bom trabalhador, não tinha dificuldade em obter a confiança dos patrões. Um dia, à hora do almoço, recebeu uma taça de sopa muito quente. Como era esperto, e procurando uma resposta à sua questão de forma a que ela revelasse o caráter do patrão, queixou-se da sopa que estava quente! A resposta seca não se fez esperar, que soprasse o líquido! Bastante introvertido, pensou para ela, não, este patrão não me convém. Passado um dia, foi bater a outra porta. Rapidamente esta se abriu para o acolher. À hora da refeição, na pausa do trabalho, ele voltou a queixar-se da temperatura da taça da sopa. A resposta também não se fez esperar. “Sopra!” Desanimado, deixou aquela casa, nesse mesmo dia com o intuito de encontrar um outro emprego. Uma terceira porta se abriu, e ele foi recebido por um senhor que lhe perguntou se comera. Ao ouvir a resposta afirmativa, ele dispôs-se a trabalhar. Ao almoço, ele recebeu a tradicional taça de sopa. Voltou a queixar-se e a resposta, desta vez, surpreendeu-o: “Bota migas na sopa!” O trabalhador sorriu. Encontrara o patrão ideal para ele.

O meu pai, à semelhança do que acontecia com muitos dos seus conterrâneos, quando as circunstâncias financeiras ainda pioravam mais, ele foi obrigado a abandonar a escola para ir trabalhar. Na altura, nem a idade nem as localidades pequenas podiam dar-lhe o patrão que tanto desejaria. Era um homem mau. Tratava-o mal fisicamente e a comida era racionada. Segundo ele, enquanto a mulher permaneceu em casa, a pouca comida nunca lhe falhara. Quando esta abandonou o marido, tudo piorou para aquela criança magra e ansiosa. Trabalhava de sol a sol e a comida, quando a havia, era um pedaço de pão seco e um pouco de água. Para cúmulo, quando o tempo não permitia, ele ficava fechado no curral, junto aos animais. Longe da luz e da comida saudável, ele começou a definhar. “Quando as portas se abriram, fechou os olhos à claridade que o ofuscava. Saiu para o campo com os animais e, no caminho, e por pura casualidade, cruzou-se com caras conhecidas. Afinal, as pequenas aldeias estavam muito juntas geograficamente e as populações conheciam-se bastante bem. Foram estas caras sorridentes que alertaram o meu avô para os maus tratos de que era alvo. Assim que pode, o homem subiu o carreiro inundado de um sol divertido e quente e bateu à porta do homem estranho, reclamando o filho. O homem, admirado, não disse nada, assim que o meu avô lhe explicou ao que ia. Pegou na mão do filho e, voltando-se para aquele monstro humano, não se conteve e, antes de rodar os calcanhares, disse-lhe que lhe confiara i filo para trabalhar, não para o mal tratar e exigiu ali mesmo o pagamento.

Esta história serve bem os tempos que vivemos atualmente e os de tantos outros que não tiveram a sorte de nascerem ricos ou mesmo remediados. Tratando-se de crianças ou adultos, a verdade é que a sorte em encontrar um patrão cumpridor é a riqueza de cada empregado/trabalhador. Aquela narrativa mostra isso mesmo! Assim houvesse possibilidade de escolha e o problema de muitas pessoas terminaria. Todos sabemos que os patrões, antes de o serem são pessoas com defeitos e qualidades que são sempre aguçadas pela educação. Mesmo em tempos de crise, é necessário perceber com quem lidamos.



publicado por fatimanascimento às 12:17
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 11 de Outubro de 2014
Lógica distorcida

Não é estranho que as pessoas se revoltem contra as pessoas roubadas apodando-as de ingénuas, estúpidas ou outro nome qualquer pejorativo? Já me aconteceu várias vezes. Em variadas conversas, muitas pessoas acabam sempre por culpar as pessoas roubadas, enganadas… pelos erros cometidos por outras. E são pessoas de todos os extractos sociais, culturais… parece ser quase uma regra!

Conheço uma moça bem formada cuja mãe passa o tempo a encontrar-lhe defeitos. Ora, sabemos que pais mal-formados acabam sempre por criar filhos iniciados nos exemplos dados. (Já me aconteceu, enquanto professora, perceber que os filhos são o espelho dos pais e vice-versa, salvas sempre a supostas excepções.) Ora, estes que provocam situações incómodas, seja qual for a sua natureza, nas vidas de outros, são geralmente vistos como eventualmente perigosos mas quase sempre espertos e os outros, da mesma formação, acabam invariavelmente por invejá-los. Sobretudo quando escapam de julgamentos sociais e judiciais depois do mal feito. E sabemos que quem prega qualquer tipo de vigarice, conhece as leis com que se cose ou melhor conhece os interstícios da lei que lhes permite fugir ao castigo merecido. E quando o fazem, infelizmente, conseguem, de alguma forma, a colaboração da boa-fé das pessoas vigarizadas. Afinal, quem mal não tem, mal não pensa. Isto não significa que sejam menos espertas que os outros. O que acontece frequentemente, é falta de avaliação rigorosa dos vigaristas porque estes são, geralmente, manipuladores exímios. Tentam conhecer as pessoas não para as ajudarem mas para as controlarem. Todos sabemos que isto está errado, é errado. Toda a gente sabe que estas acções são condenáveis. O que não se entende é a lógica distorcida que parece afectar grande parte da nossa sociedade aquando do julgamento moral das diversas situações de vigarice. E sempre que alguém leva a melhor sobre outra, no sentido de a prejudicar, não é esperteza e muito menos inteligência, é maldade. Então porque é a que a nossa sociedade continua a condenar as vítimas em vez dos prevaricadores levando inclusive aquelas a sentirem-se diminuídas e a esconder as falcatruas? É esta lógica distorcida! E não deve ser assim. Os ladrões têm de ser julgados e metidos na prisão e não os roubados! Onde está a moral? Onde estão os valores que alicerçaram a nossa sociedade e que, ainda assim, teve sempre quem a esquartejasse? Agora, estamos a viver um ambiente social onde o roubo é quase uma constante e que mais não é do que uma versão da exploração do homem pelo seu semelhante! É isto que está errado! É o roubo que tem de ser condenado e não as pessoas roubadas! Daqui a nada estamos a chamar branco ao azul e azul ou branco… Desculpem, isto já acontece. Então o que se deve fazer? Ter a coragem de defender que merece defesa e condenar publicamente quem prevaricou. Ou vamos cobardemente pactuar com a  mudança que se está a operar violentamente na nossa sociedade, calando-nos ou concordando com exteriormente com essas pessoas mal-intencionadas? Há que falar sem medos! Não nos vão odiar mais do que já acontece se manifestarmos a nossa opinião! Se calhar desprezam-nos mais pela cobardia demonstrada!

Agora, depende da leitura de cada um e cada um faz a leitura de acordo com a sua maneira de ser. Mas uma coisa julgo que ficou clara: o roubo, tenha ele a forma que tiver, é um acto condenável, desprezível e cobarde!



publicado por fatimanascimento às 12:09
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 9 de Outubro de 2014
O cavalo possuído

Uma tarde, o meu pai chegou a casa e disse que um senhor o tinha convidado para visitar a sua quinta. Nós iríamos também. A minha mãe, que arrumava a cozinha, franziu o cenho. Não lhe agradava ideia. O meu pai insistiu. O homem precisava de ajuda! Um amigo do meu pai falara ao senhor do grande espírito da filha. Apresentara o problema ao meu pai. Este, sempre pronto a ajudar, aceitara. Talvez pudessem perceber o que se passava com o animal. Lá fomos.

O céu primaveril mostrava um céu tingido de nuvens. A quinta ficava na ponta norte da vila, não muito longe do prédio onde vivíamos. O acesso era íngreme e entrámos num portão largo. De um lado, a casa e, a alguns metros da mesma, a cavalariça.

Depois de uma visita rápida pela quinta, os nossos passos desviaram-se para o alvo da nossa visita – a cavalariça. Era um edifício moderno, espaçoso e arejado. Os fardos de palha encostados à parede precediam as baias onde os cavalos dormitavam na penumbra. O corredor abria-se à nossa frente. Do lado direito, dois animais mansos tiravam partido da calma da tarde. Mais à frente, do lado oposto um cavalo solitário. Aproximámo-nos. O cavalo soltou um relincho nervoso enquanto os olhos poisados em mim, pareciam querer solar-se das órbitas. Os adultos calaram-se tentando perceber o eu se passava. O nervosismo do animal acentuava-se. Os olhos pareciam colados à coroa da minha cabeça. O meu pai, frustrado, não conseguia perceber o problema que enlouquecia o animal. O homem concordou aparentemente rendido também. Continuaram a conversar ignorando os relinchos enfurecidos do animal. Foi então que percebi, pela minha visão lateral, que o homem se concentrava na minha pessoa. A minha mãe, incomodada com o ruído ensurdecedor do animal, caminhava para a saída. Eu não me conseguia mexer. Uma força invisível imobilizava-me. O terror ameaçava tomar conta de mim. A voz do animal parecia forçar a sua entrada no meu corpo. Algo em mim se debatia tanto quanto aquele animal. Era como se uma força saísse do animal e tentasse entrar em mim! Um duelo estranho e desigual. O olhar do homem colava-se intensamente também em mim enquanto o meu pai conversava distraidamente com ele. Finalmente, o homem descontraiu o corpo num gesto de desistência. Encaminhámo-nos rapidamente para o exterior. A minha mãe passeava meditativa. O homem despediu-nos rapidamente. Tinha um compromisso. Reencontrámos, sozinhos, o portão. O pequeno Mini esperava-nos.

De regresso a casa, os meus pais conversavam enquanto viam o filme espiritual da visita à quinta. A minha mãe não gostara da visita. Até que perceberam algo de estranho na atitude do homem. Ele percebera o que se passava com o animal! Mais! Ele tentara passar a energia incómoda, que perturbava o animal, para mim! Os meus pais entreolharam-se, horrorizados! Eu bem que não queria ir, dizia a minha mãe, algo me dizia que não era boa ideia! O meu pai ainda não se recompusera da descoberta feita.

Olha o que aconteceria à miúda, volveu ele, com uma perplexidade horrorizada.

Anos mais tarde, o meu pai contou, na minha presença, a um grande amigo seu que, ao ver o filme espiritual, corroborou as suspeitas dos meus pais. Calaram-se, aterrados com a audácia do homem para a realização do mal. Optara por prejudicar uma criança para salvar o animal, símbolo da sua vaidade.



publicado por fatimanascimento às 13:13
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Quarta-feira, 8 de Outubro de 2014
Alhos, cebolas e ferraduras

Regresso à minha infância. Tempo indeciso. Local preciso. Cenário estranho. Personagens duvidosas.

Brincadeira em casa de uma vizinha. Normalidade aparente. Duas cabeças debruçadas sobre uma precária construção de lego. Poucas peças. Os minúsculos bonecos de plástico. O interesse. A alegria. A personagem vivida na boneca.

Súbita interrupção. Um homem ansioso. Perdido. Alucinado. Feroz. Sinal gestual para a filha. O acordo tácito. Altura de ir! Vens! E trá-la! A minha confusão. A miúda acompanha o pai. Olhar saudoso lançado às bonecas. Recusa íntima. Aviso? A continuação da narrativa imaginária. A minha boneca. O meu eu plástico. O movimento da boneca no cenário infantil escondida entre o polegar e o indicador. O fio da narrativa tecendo novos meandros. Nova interrupção. Vozes  adultas alteradas. Presença da miúda mesmo necessária? A minha presença exigida pelo homem. A miúda tem de estar aqui. Sim! A impaciência da mulher. A voz masculina alterada pelo medo. Insistência. O meu nome suspenso do ar agitado. O meu afastamento relutante. O abandono saudoso da brincadeira. O corredor obscuro. A agitação no hall de entrada. Paragem à entrada. O meu atrevimento morre à entrada. Cenário macabro. Estupefacção. Porta estranhamente decorada. Réstias de cebolas. Réstias de alhos. Ferraduras suspensas de fitas e descuidadamente pintadas de cinzento. As incorrecções  geradas pelo uso deficiente da improvisada maquilhagem. O nervosismo masculino. A aflição na fronteira da loucura. A presença da filha e da mulher à esquerda. O contágio do nervosismo. A dança do homem no espaço vazio. Não se mexam. Redistribuição do espaço. A miúda empedernida. Só a mente funciona. Os sentidos alertados. A bandeira vermelha erguida. A insegurança. A incompreensão. A minha estátua. O avantajado traseiro esticado na minha direcção. Os olhos colados à abertura do correio. A pala perpendicular ao ângulo da porta. O sol inundando a rua empoeirada com os dentes brancos salientes. A vontade de encontrar aquele sol. O arrefecimento do espírito. O tremor da voz masculina. Está achegar! Está a chegar! Para a mulher e a filha. Estão a sentir? Negação da cabeça. Os olhos fixos no filme ausente. Admiração. Não? Eu sinto. Nervosismo acentuado. Como é que vocês não sentem? As duas vozes femininas. Eu não sinto nada. A minha confusão. Incompreensão. A minha figura aprisionada. A mente aguçada pelo instinto. Que se passava? Estariam à espera de alguém? Um homem? Seria mau? Porque teria de estar ali? Acordo dos pensamentos. Novamente a voz masculina. Está rua! Agora já devem sentir! O aceno afirmativo das duas colaboradoras. A voz da mais velha. Agora já sinto! Corroboração da mais nova. A minha mente aprisionada no corpo sem vontade. A minha incompreensão. A minha aflição. O desejo do refúgio do lar vazio. A impossibilidade de me mexer. O terror vomitado do homem. Os cruéis lábios finos tensos de medo. O rosto despido dos imprescindíveis óculos. As faces lívidas. A observação cautelosa da superfície do meu crânio com a mesma mal disfarçado ódio. Regresso à posição vigilante. A pala da abertura do correio baixa como uma cortina. A coragem escondida nos bolsos das calças imensas. O proeminente estômago ameaçando a carpete da entrada. Levantamento arriscado do pesado corpo. Sinal com a mão. Os outros dois seres atentos. Quatro estátuas suspensas nas malhas do tempo. O meu desconcerto. Incompreensão. Impaciência. Um teatro macabro fraco enredo. Desconhecimento do meu papel naquele cenário. Subitamente. O movimento das estátuas humanas. O alívio. O sussurro. Já passou! As mãos agitadas como vassouras. O triunfador sorriso sereno para a esposa e a gaiata. Uma frase corre aos meus ouvidos. A calvície reluzia. Eu disse que conseguia! A miúda sem se conseguir mexer. O alerta da mulher. Esquecera a minha estátua. Já podia ir. Sem necessidade de me prender. A corrida para casa. As queixas. A indiferença da minha mãe. Omissão da situação ao meu pai. Polícia. O medo das possíveis zangas. Revelação ao meu pai. Cólera justa. Decisão. Caminho para a casa do vizinho. Passo determinado. A segurança da atitude. Recebido à porta. Responsabilização do adulto. Tentativas de explicação infrutíferas. Não é a sua filha! Queria ver se fosse! Palavras atiradas à cara do prevaricador. A ameaça. As largas costas vencidas pelo medo.

Dias mais tarde. Em casa. Palavras da mulher. Avisei-te. Resposta. Pensei que a mulher o segurava. Consegue sempre! Ainda a mulher. Mas isto foi muito grave. A voz do marido. Espero que isto não se espalhe. A mesma voz de suporte afectivo. Ninguém fala disto! Insistência do meu carrasco espiritual. Mas os colegas. Os familiares. Narrativa dos acontecimentos ao meu tio. O irmão mais velho do meu pai. Aos meus avós. A mesma revolta. Apoio ao meu pai. Condenação da minha mãe. Condenação dos vizinhos. Apoio familiar ao meu pai. Sensação de segurança retomada. A justiça feita. O pai. O defensor da sua filha. O meu justiceiro.



publicado por fatimanascimento às 12:38
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 7 de Outubro de 2014
A minha vida com os espíritos
(Este é o meu testemunho real. Faço-o para ajudar pessoas que tenham passado, passem ou venham a passar por possíveis experiências iguais ou parecidas com as minhas. Faço-o sobretudo para que estes assuntos deixem de ser tabu e passem a ser um tema de conversa comum como tantos outros. Porque o encobrimento só ajuda as pessoas mal intencionadas.)
Desde pequena que tenho espíritos comigo. Desde que nasci, poder-se-á dizer. Logo à nascença estava um espírito maligno pertencente a um antepassado do meu ex-marido. Tal como em vida, era um espírito mau. Mais tarde, um espírito feminino encaixou-se em mim. Ajudou muita gente. Mas muita gente me fez mal através dele. As vizinhas da infância, colegas de escola... Enquanto brincava com elas, elas serviam-se dele para me prejudicar. Pertenciam (e pertencem) ao grupo dos que se converteram ao mal. E fizeram de tudo vasculhando o meu futuro para que não alcance a “glória” prometida pelo destino que as enchia de inveja.´
A determinada altura, esse espírito feminino que me protegia, entrou no céu. Segui com o mau espírito, e outros se lhe juntaram. O mau situava-se muito acima da coroa dos outros pelo que passava despercebido. Desde familiares a desconhecidos todos apanharam boleia comigo. E são muitos. E houve um que se destacou e destaca e cria inveja em muitos dos que têm contacto. Em muitos sítios por onde passei, encontrei pessoas sem escrúpulos que fizeram de tudo para o convencerem a partir com outra pessoa. De repente, apareciam pessoas do nada que passavam a ter problemas e todas as situações acabaram por se transformarem em perseguições terríveis envolvendo a minha pessoa. Eu era a refém dessas pessoas aquando da chantagem com o meu espírito. A pressão era enorme. Ainda é.
Já adulta, encontrei nas escolas boas e más pessoas com contacto. Encontrei pessoas determinadas a sugar o meu espírito. E as perseguições à minha refém pessoa acabaram inevitavelmente em baixa psiquiátrica devido à pressão espiritual e psicológica, prejudicando-me no tempo de serviço e noutros aspectos ainda por identificar. Porque, para todos, tudo não passava de um jogo do gato e o rato, não perdiam nada com isso e então valia a pena tentar. E tudo começava numa cabeça para alastrar a todas as outras levadas pelo impulso. Lembro-me de uma escola em particular onde uma velhota sofrendo de cancro desencadeou uma perseguição a que se juntaram todas as outras e as que se mostraram renitentes ao princípio viram-se obrigadas a fazê-lo porque se não estavam com elas estavam contra. Pedi a demissão do ensino nesse ano. Eram quatro de destacamento. O tempo deu-lhes confiança. O alunos foram uns amores e mantiveram o seu rumo apesar da loucura dos adultos. Mas nem todas as escolas funcionaram assim. Houve excepções. E boas!
Também os alunos, não todos, uma muito pequena minoria tentaram o mesmo jogo. Lembro-me particularmente de dois, numa escola alentejana. Eram meus alunos de Francês do 9º ano. Um que tinha estado em França, insistia comigo que a resposta num teste estava correcta. Para ele era “C’est les parents,” ao passo que eu insistia, explicando que era “Ce sont les parents”. Na realidade, começava por trás desse problema uma perseguição adulta num corpo juvenil. Juntamente com um colega e amigo, armou-se em cavaleiro e usou a espada da difamação para me prejudicar. Anos antes, tinha havido um outro, de origem indiana, que tentou a mesma estratégia conseguindo indispor a turma, parte dela, contra mim. Na sua mísera opinião eu não estava a ensinar bem. Insistia comigo que não era assim. Um outro braço de ferro espiritual. Ninguém encontrou nada de errado na minha pedagogia ou conhecimentos. O aluno, quando a mãe descobriu, ficou tão chocada com tudo que o enviou para um colégio interno na Suíça onde trabalhava o pai da criatura do qual estava separada. Era o filho de uma segunda relação. Nunca tivera problemas semelhantes com os outros dois filhos. O que o rapaz mais temia, e que o fez desencadear essa perseguição, realizou-se. Tinha-se visto nesse colégio mas nunca descobrira que o motivo era a sua perseguição.
Na minha vida pessoal, encontrei pessoas sem escrúpulos. Estou a lembrar-me de um companheiro meu, também professor, mulato, que se juntou a mim até eu descobrir que andava a fazer experiências de magia negra em mim e nos meus filhos. Mas tarde, seguiu-se-lhe um vigarista que usou esse contacto e as suas “artes negras” para me vigarizar. Debato-me com dívidas contraídas pelo Toninho.
Antes destes, o meu ex-marido e a mãe. Um par convertido ao mal, muitos anos antes. Casou-se comigo para sair de casa. Fez-me a vida negra com a magia. Foi o meu pior inimigo. São os meus piores inimigos. Tenho receio pelos meus filhos. E muita gente já me avisou para ter cuidado sabendo eles mesmos que não tenho conhecimentos para me defender a não ser a minha fé que ele revolve com a magia negra, satisfeito por não ter uma adversária à sua altura. Temo pela vida dos meus filhos. O seu antepassado foi-me retirado por um poderoso médium. Mas sei que ele tem planos macabros para mim e os meus filhos. Ele e a mãe. Muita gente sabe disto mas não sabe como reagir contra esta terrível previsão. Muita gente sabe e ninguém faz nada.
Estimo, pela minha experiência, que o número de pessoas convertidas ao mal suplante, em larga escala, as pessoas de Bem. Já falei disto e não me canso de frisar. Na minha própria família a desproporção é enorme. Dos nove irmãos, oito converteram-se ao mal e porque a minha avó se viu obrigada a converter só esse número de filhos senão teriam ido todos. Já devem adivinhar que a excluída foi a minha progenitora. Ainda bem!
Lembro-me de uma vizinha minha, convertida ao mal, que invejava a minha liberdade. Ela aprendeu algo comigo. Não converteu os filhos apesar da constante insistência dos pais e apesar dela se servir das suas aprendizagens do mal.
Também encontrei pessoas convertidas ao mal simplesmente para não serem excluídas da família. Não são pessoas de mal. Usam os conhecimentos para ajudarem pessoas. São pessoas de Bem convertidas ao mal.
Mais. Há pessoas convertidas ao mal, em todas as áreas da nossa sociedade. Inclusive na Igreja. E, volto a insistir, a desproporção é enorme. Elas sentem-se confortáveis com essa desproporção. Sabem reconhecer as pessoas de Bem mas nós, pessoas de Bem, não sabemos reconhecê-las. Temos de lidar com elas, São filhas de Deus, apesar de tudo. O que podemos fazer por elas? Rezar. Rezar muito. Rezar para que Deus as ilumine porque depois da escolha feita, só mesmo o toque do Céu, para as ajudar. E a nós que somos as suas vítimas favoritas. Eu, pelo menos sou. Ainda sou. Até perder o meu fantástico espírito fugindo assim às espectaculares perseguições onde quer que vá.
As pessoas que comigo conviveram sabem que é assim mesmo que não o queiram, por vários motivos, admitir.
Ainda hoje, o problema como me dizia a minha amiga e médium, Rosa Carreira, é que a energia negativa transmitida por algumas pessoas vem de muitos lados e, às vezes, arrasa comigo.
Esta é a minha experiência com espíritos. Uma experiência resumida em duas folhas. Muito mais haveria para dizer. Fica o essencial que é muito. E posso acrescentar que, neste momento, estou a viver uma das piores experiências da minha vida. Uma repetição do passado. Não sei como vai terminar. Estou na expectativa.

Fátima Nascimento


publicado por fatimanascimento às 22:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds