mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Domingo, 15 de Abril de 2012
Nova nomenclatura e reorganização gramatical

Há muitos linguistas que eu admiro, pois dedicam a sua vida profissional a campos realmente interessantes da língua – sobretudo na linguagem oral onde há todo um mundo por explorar. E, se queremos observar a evolução da língua, podemos dedicar-nos ao estudo da linguagem oral. Isto, para já não falar de outros tipos de linguagem que são, também eles, suficientemente interessantes para que se lhes dedique trabalho e estudo. É na linguagem oral que se registam modificações interessantes que muitos linguistas estão a estudar e a registar…

 O que não suporto são aqueles cuja vida académica se limita à invenção de uma nova nomenclatura gramatical e à reorganização gramatical que já alguém fez e, na minha opinião, muito bem. É este trabalho que eu não compreendo nem acho útil. Por uma razão: já está feito! Acho por bem que, se querem mostrar trabalho realizado que justifique o dinheiro recebido, deverão dedicar-se a áreas ainda pouco ou nada exploradas da língua. E há tantas! Agora, deixem de refazer o trabalho já realizado quando não se justifica. Para além de dar imenso trabalho a quem já ensinou e aprendeu de várias maneiras a mesma gramática não há qualquer razão para tal. Depois, há opções tidas em conta na reorganização gramatical com as quais não concordo. Também não gosto da forma como encaram a própria língua. Esquecem que ela tem duas componentes igualmente importantes de estudo - a sincronia e a diacronia. Enquanto aquela estuda a língua num determinado momento esta estuda a língua na sua evolução. O que não podemos esquecer é que a duas coexistem, muitas vezes, no mesmo tempo. A língua que se fala num determinado momento já está sujeita a modificações que poderão, ou não, ficar registadas, futuramente, na língua. Como organismo vivo que é, ela é o resultado d apropriação desta por cada cidadão. E a língua, que foi inventada pelo homem para o servir, não pode ser, ela própria, objecto de culto, não reconhecendo também aos linguistas o papel de “polícia política” da língua. Se assim fosse, não evoluiríamos e limitar-nos-íamos a escrever e falar uma língua que jamais se afastaria da norma. O que seria da literatura se assim fosse? Também não gosto de definições. Mas, parece que não conseguimos livrar-nos de rótulos. Muito úteis, para os detractores. Não vejo outra utilidade. Não são úteis para mais ninguém. A língua tem de ser liberdade. Só na liberdade ela poderá vencer todos os obstáculos que encontrará pela frente. Só nessa liberdade ela poderá crescer e impor-se. Se queremos uma língua feliz e sã temos de ter pessoas felizes e realizadas nela. E já agora, não há só uma forma de criatividade…



publicado por fatimanascimento às 17:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 10 de Abril de 2012
Patrões, empregados e tempos de crise

A diferença entre patrões e operários é óbvia, à partida: uns têm uma posição de liderança enquanto os outros ocupam a de liderados, isto é, limitam-se a executar as suas tarefas o melhor que sabem e podem, vestindo a camisola da empresa e sabendo que o bem daquela é o bem deles. Mas não é suficiente para aqueles. Embora a diferença esteja definida, a verdade é que, se esquecermos esta, vemos uma equipa inteira a trabalhar como um corpo só, para o sucesso do projecto. E tudo corre bem até ao momento em que começam a surgir, mesmo que aparentemente, problemas. Aqui as posições divergem claramente tornando-se, muitas vezes, opostas e irreconciliáveis. E se observarmos o mercado de trabalho, não podemos deixar de perceber as diferentes posições de ambos. É lógico que, para tudo, há excepções e temos sempre de contar com elas, para não cairmos no erro de sermos injustos para com quem não merece.

Enquanto por parte de alguns patrões vemos que a sua única preocupação é o ganho que poderão ter com as empresas, fechando-as, muitas vezes, porque não são tão rentáveis como esperavam para, depois, abrirem noutro local do mundo, vemos trabalhadores que, mesmo não sendo pagos, regressam fielmente todos os dias aos seus locais de emprego para desempenharem a sua função dentro da empresa.

E são estes que, quando a empresa declara falência, se mantêm defronte do edifício, ao estilo de velório, esperando aquilo que lhes é devido e que nunca chegam a receber; e não falo só da perda do emprego mas, e muitas vezes, do dinheiro que lhes é devido e que nunca mais vêem.

Depois, ainda vêm estes tempos de crise, oportunamente explorados por alguns governos (que nos meteram nesta crise com más administrações) para retirarem os poucos benefícios conquistados pelos trabalhadores, em anos anteriores. Entre governos assim e patrões inumanos estão os trabalhadores espartilhados. O futuro, que bem poderia ser mais brilhante, porque há outras maneiras de resolver esta crise (assim houvesse vontade) vai ser bem negro, para os trabalhadores que o mesmo é dizer – o povo!



publicado por fatimanascimento às 14:15
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Que têm em comum Camões e...

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds