mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009
Disciplinas e cursos

Se estava difícil a escolha agora parece pior. Refiro-me aos cursos que os jovens têm de escolher, acabado o ensino básico obrigatório. É do conhecimento geral que a pior disciplina em termos de resultados, salvas as raras excepções, é a matemática. Pois é precisamente esta disciplina que se encontra infiltrada em quase todos os cursos, limitando forçosamente as suas escolhas. Não seria um problema se estes cursos não fossem procurados, em grande parte, por alunos que revelaram grandes dificuldades nesta disciplina ao longo do segundo e terceiro ciclos. Há muitos que, apesar da avaliação negativa nesta disciplina, insistem em escolher cursos cuja matemática faz parte dos currículos. É preciso coragem! Tudo porque a avaliação psicológica das suas aptidões revelaram áreas para as quais não têm bases científicas. Olhando para trás alguns anos, e recordando o meu problema com esta disciplina, (tive de repetir o nono ano para conseguir compreendê-la), e o conselho que a minha pobre professora me deu, quando eu ainda sonhava ser astrónoma, era que não seguisse ciências porque ficaria irremediavelmente com a cadeira de matemática em atraso. Pensei no assunto e vi como tinha razão! Provavelmente aconteceria comigo o que aconteceu com os imensos jovens que eu encontrei ao longo da minha vida e que ficaram com o secundário incompleto devido a esta ou outra disciplina em atraso, desistiram das suas ambições académicas devido a isso. O mesmo se passou com os meus filhos. Tenho um que não é bom aluno, revelando muitas dificuldades a nível da concentração, e outra que não sendo brilhante é uma boa aluna. O primeiro não quer entrar na faculdade, querendo optar por um curso médio; a segunda não quer deixar a matemática porque, embora não seja aluna de quatro, compreende a disciplina e gosta. O primeiro vê as suas escolhas encurtadas devido à matemática que invade todas as áreas, teve de optar pelas letras, onde a história é também o seu calcanhar de Aquiles; ela, não querendo a matemática mais difícil, optou por um curso também de letras e escolheu matemática aplicada às ciências humanas. Isto não me tranquiliza muito, e já a avisei que tem de estudar todos os dias porque não ser fácil. O que eu não compreendo é porque é que esta disciplina se tornou, subitamente, tão importante a ponto de incluir os currículos até dos cursos médios. Será que, para cumprir ordens simples será a matemática necessária?

 

Fátima Nascimento



publicado por fatimanascimento às 10:39
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009
Desafios!

Um dia, entrei na biblioteca escolar, onde me encontro a leccionar e dei com alguns quadros pendurados na parede. Senti-me imediatamente atraída por eles. O traço, a atmosfera, a composição, o tema… alertaram os meus sentidos. Desloquei-me lentamente ao longo das paredes completamente fascinada com o que observava. À questão sobra a autoria dos mesmos, foi-me dito que eram de uma colega da escola. Não mais me esqueci daquelas pinturas que se haviam tornado tão familiares. Uns tempos depois, como não poderia deixar de ser, descobri a autora. Conversámos e estendemos a nossa amizade recente às ruas da cidade.

Um dia, quando menos esperava, ela lançou-me um desafio. Apresentou-me as pinturas scanizadas e pediu-me que, ao observá-las tentasse, construir uma estória para as mesmas. Estou habituada a desafios solitários, mas, apaixonada pelas imagens, respondi que iria tentar. Chegada a casa, observei atentamente as imagens que, segundo a autora não tinham relação alguma entre si. Não parecia conseguir arranjar um fio condutor entre elas. Fui tomada de um pânico súbito. Teria eu aceite um desafio que não venceria? Voltei a mergulhar nas imagens respirando a sua atmosfera… e tudo se tornou subitamente claro. Alinhei as imagens, deixando algumas de fora. Não, não era isso que pretendia e não era seguramente isso que a minha colega quereria. Depois, deste modo, nunca seria um verdadeiro desafio. O verdadeiro desafio passa por não deixar imagens de lado. Voltei a imergir na atmosfera das imagens… Desta vez, imagens adormecidas da minha própria infância soltaram-se no meu consciente. Voltei a colocar as imagens em ordem e… tinha o enredo acabado. Foi então que comecei a escrevê-la para não mais a deixar. Não demorou muito tempo. Mas, durante o tempo em que ela se gerava na minha cabeça, os mais diversos sentimentos tomaram conta de mim, numa viagem vertiginosa a todos os recantos do meu ser. Sim, as imagens tinham uma estória, a sua… foi só descobrir a sua mensagem ou melhor – a minha. Como todos enredos, ele pode ter o final que nós lhe quisermos dar. Este parece ainda não o ter. Embora já o tenha alinhavado na minha mente, algo em mim parece resistir ao acrescento. Mas tenho a certeza de que vou fazê-lo. Parece faltar qualquer coisa ao enredo. E os finais felizes são necessários para as crianças. Elas precisam de ter a esperança de que tudo tem uma solução, e que se não a encontramos não é porque não haja, só não a encontrámos.

 

 

 

 

 

Fátima Nascimento

 

 



publicado por fatimanascimento às 21:51
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Domingo, 16 de Agosto de 2009
Bobby Sands

Nunca percebi porque é que a ilha da Irlanda se encontra dividida em duas, quando o ideal é só um – a independência.

Tinha 17 anos quando morreu. Acompanhei a sua luta muda e determinada através da comunicação social. Ao princípio, ainda com esperança que se encontrasse uma solução para evitar a morte daquele homem ainda jovem. Uma vontade que se assemelhasse a um raio de sol trespassando as densas e negras nuvens. Nada. A dama de ferro não se comoveu e ele não desistiu! Um braço de ferro que terminaria com a morte deste que não desistiu do seu sonho. Já lá vão quase trinta anos! Depois de muitas conversações, muitas delas com a ajuda de intermediários conhecidos do mundo artístico (estou a lembrar-me de Bono, o vocalista da banda U2) que pareceram amenizar os ânimos e sossegar os ódios. Houve um vazio noticioso durante uns anos. Agora, voltaram os protestos à rua, ocupando alguns minutos do horário nobre do espaço noticioso. Esta breve manifestação dá conta que o ideal de independência não morreu no coração dos irlandeses, descontentes com a sua situação. Para mim, e ao contrário do que as notícias pareciam fazer crer, o problema entre as duas partes litigiosas não eram de natureza religiosa mas política. A nomenclatura usada era só uma maneira de os meios de comunicação identificarem as duas partes em confronto. Depois, quando todas as grandes potências, como URSS, se desintegraram ou têm tendência a isso, não faz grande sentido a existência de colónias nos tempos de hoje, sejam quais forem os motivos. A independência de territórios não prejudica ninguém, talvez até beneficie a imagem de quem está disposto a largá-las, dando um sinal de tolerância e tudo o mais. Os países mais fortes não são aqueles que possuem grandes territórios, mas aqueles que têm a noção da sua união. Eu, pessoalmente, detestaria que uma potência qualquer reduzisse o meu país à condição de província ou colónia contra a sua vontade. Já aconteceu e, logo que nos foi possível, surgiu a manhã do dia um de Dezembro de 1640 colocando fim a esse pesadelo. Este feito só foi conseguido graças à união de uma nação – a alma portuguesa. Os confrontos sociais e os ataques terroristas, com a morte de pessoas inocentes, não representam uma solução para nada, assim como a repressão/indiferença política também não o é. Não depois do exemplo de Mahatma Gandhi… O ódio só gera mais ódio e morte. Mas o amor… este vê que só os meios ideais levam à realização de ideais.

 

 

Fátima Nascimento

 

 

 



publicado por fatimanascimento às 23:04
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sexta-feira, 7 de Agosto de 2009
O ideal da independência

O que sempre me atraiu nos outros países, não é só a paisagem mas todo um mundo cultural subjacente a ela. Conhecer novas línguas, novas pronúncias, enfim tudo aquilo que diferencia e logo caracteriza como país – a sua individualidade cultural. Confesso que não sairia do país se soubesse que o que lá iria encontrar é igual ao existe no nosso país. É isto que nos enriquece como pessoas - a diferença. Quando tive ou tenho oportunidade de sair e estabeleço alguns laços de amizade, sinto nas pessoas uma curiosidade sobre o nosso país que recai também sobre a nossa língua. Muitos querem saber como é esta ou aquela palavra em português para exprimir certo sentimento ou ideia, sentindo-se fascinados pela diferença. Lembro-me de, aqui há alguns anos atrás, um rapaz do país vizinho, pouco mais velho do que eu, pensar que a língua da Catalunha era muito semelhante à portuguesa. Talvez o ideal da independência o fizesse olhar para nós portugueses com um carinho que não nutria por Castela. Mais recentemente, conheci uma moça galega que também dissocia a cultura da sua província da Castelhana, dando voz a toda uma cultura galaico-portuguesa comum à história de ambas as regiões, em determinada época da história. Mais uma vez tive de defender que não tinha a certeza de que assim fosse. O castelhano invadiu todas aquelas regiões e as semelhanças que eles querem ter connosco são cada vez menos perceptíveis, quase não existindo. O que eles admiram em nós é o facto de sermos um país independente de Espanha, há imensos séculos (exceptuando o período de sessenta anos sob o domínio filipino). A nossa língua, factor essencial na nossa independência, embora muito semelhante ao Castelhano tem características e pronúncia próprias que aqueles adolescentes admiram. São jovens de gerações diferentes mas orgulhosos das suas diferenças culturais que os individualizam da restante Espanha. Ambos conseguem ler o português sem grandes problemas, esquecendo-se das semelhanças do castelhano ao próprio português. Ambos vêem nestas diferenças mais do que razões para fundamentarem as suas aspirações a uma possível independência. Falta a vontade política. Ambos conhecem o desespero do país Basco cuja cultura e cuja língua nada têm de semelhante a Espanha e a França, constituindo todo um mundo à parte. Nota-se a diferença quando saímos daqueles países e mergulhamos naquele mundo cultural com raízes que ascendem ao período pré-romano e que nada tem a ver com os dois países pelos quais se encontra dividido. O ideal de independência custa vidas: morreram imensos castelhanos, que quiseram subjugar o povo português, na tentativa de integrar o seu território nas suas muitas províncias, e muitos portugueses para manterem a independência de um território que durante muito tempo aprenderam que lhes pertencia, não por ordem genealógica da realeza mas por vontade popular. Durante todo este tempo, Portugal manteve-se independente graças à vontade de um povo que teimou em acarinhar uma língua com uma estrutura, um léxico e uma pronúncia diferentes. E não é só o caso do nosso país, há muitos casos por essa Europa fora. A única diferença é que uns além da vontade tiveram sorte, outros nem tanto. Este ideal não morre, ao contrário do que se possa pensar, passa de geração em geração e assume contornos mais ou menos pronunciados em determinadas épocas. Mas não morre.



publicado por fatimanascimento às 18:12
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Que têm em comum Camões e...

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds