mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007
Adopção: quem quer correr o risco?

É raro ouvir as notícias, pelas mais diversas razões, mas quando isso acontece, arrependo-me. É como se nada neste país funcionasse como deve ser… mas agora falo de algo que mexe imenso comigo e que são as crianças. Neste caso uma criança em particular que está a ser disputada por duas famílias: a adoptiva e a biológica, (o pai). Segundo o que entendi, esta criança existe devido à determinação da mãe biológica porque, pela vontade do pai, que não quis assumir a responsabilidade, ela provavelmente não existiria, ou passaria fome, pois, segundo a mãe biológica, ela não tinha dinheiro para comprar uma lata de leite para a criança (e nós, pais, sabemos o preço delas!). É então que resolve dar a criança para adopção, quando esta era ainda um bebé de tenra idade… a criança foi criada pelos pais adoptivos, como se se tratasse da sua própria filha e ela não conhece a existência de outros… é a eles que ela está habituada, é a eles que ela trata por pai e mãe, a família que ela conhece é a dos pais adoptivos, a escola e os amigos são os que ela conhece até agora. Tem, ao que parece, tudo o que necessita e que determina a felicidade de uma criança. De repente, o pai adoptivo, após umas provas ADN, (que foram determinantes no sentimento paternal que até então parece não ter existido!) resolve que quer ser pai e quer tomar conta da criança. Eu não sei o que diz a lei a respeito da adopção em geral, nem o que diz  respeito a este caso em particular, mas, para mim, que desconheço isso tudo, presumo que deve colocar em primeiro plano os interesses da criança, defendendo o que é melhor para ela. Não interessa o que os pais querem ou deixam de querer, ou as suas boas intenções… ora, uma coisa eu sei, eu não queria ser criança e estar nesta situação! Tenho o meu mundo alicerçado e, de repente, aparece alguém que o quer desmoronar… que vai querer ficar comigo, que me leva para uma outra localidade (para longe da família que conheço) me apresenta outra família com a nomenclatura que eu ligo a outras caras, uma nova casa, um novo quarto, uma escola com mais caras estranhas, … nem quero continuar! Agora, dizem-me os defensores do pai biológico: então ele não tem direito à filha? Sim, com certeza, mas de outra maneira… Ele tem direito à criança no sentido de ela saber da sua existência (assim como da existência da mãe biológica) e de a ver, quando a quiser visitar, e sempre que quiser… mas não tem o direito de a arrancar à família que a criou e ama como se fosse dela, não é bom para ninguém… Que direitos mais têm os pais biológicos sobre os adoptivos? Qual é a diferença entre eles? Ou a lei faz essa diferença? Pais são aqueles que amam, respeitam, educam, … e protegem a criança. Eu, se tivesse uma filha adoptada e soubesse que ela estava bem, só estaria agradecida à família que contribuíra para esse bem-estar físico, psicológico e psíquico… Nunca a entregaria ao pai biológico! Mas, claro, esta é só a minha humilde opinião! Agora, eu coloco uma questão: depois desta situação, e de outras semelhantes, quem quer arriscar uma adopção?



publicado por fatimanascimento às 13:49
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Sábado, 13 de Janeiro de 2007
Profissão e família

Cada vez é mais difícil neste país equilibrar este binómio: profissão e família. Não só as famílias estão a perder regalias no que respeita ao tempo que têm para dedicar a si próprias, como também poder de compra (não é novidade nenhuma que cada vez mais os nossos salários, salvo raríssimas excepções, não acompanham o aumento de custo de vida) e também o direito de assistência à família em caso de doença, pois, embora a lei proteja esse direito, ele é-nos retirado, de facto, no dia-a-dia pelas exigências profissionais...  Ora se juntarmos a estes outros problemas tais como os empregos longe da localidade de residência, as famílias monoparentais, os problemas de saúde dos pais e os problemas de saúde dos filhos menores, os problemas de saúde do profissional o facto de se ser professor e a perseguição que lhes fazem os pais, estimulada pelo próprio M. E. que teve o mérito, entre outros, de denegrir a profissão... torna tudo mais complicado. Hoje em dia, faltar ao trabalho, ainda que essa falta esteja devidamente justificada, é encarada como um crime, pois os professores, segundo a ideia espalhada por aí, faltam porque e quando querem... e nada mais longe da verdade! Como todos os profissionais de outros ramos, todos temos família... e ela precisa de atenção, e quem a tem deve dar-lhe atenção ou então não vale a pena tê-la...  e, quanto mais não seja, apoiando-a na doença... Ora desde já há algum tempo, que me deparo com casos caricatos... Antes de me casar e constituir família, devo dizer, em abono da verdade, que quase nunca faltei. Depois do nascimento do meu filho mais velho, que nasceu com uma cardiopatia grave, vi-me obrigada a deslocar-me regularmente a Coimbra para controlo médico, e depois do cateterismo que lhe fizeram aos seis meses, e tal como os especialistas me haviam dito, ele apanhou todas as doenças e mais alguma, o que me obrigou a recorrer à pediatria do hospital mais próximo, onde ele chegou a estar internado por várias ocasiões... Ainda por essa altura, e foi-lhe diagnosticada uma doença crónica de rins (cistinúria), que originou a formação de cálculos renais e consequentes infecções urinárias... Ora, houve alguém que, sabendo ou ignorando a minha situação, resolveu telefonar anonimamente para a escola, dizendo que eu podia ir trabalhar e que não o fazia porque era, passo a expressão, uma "calona"... Já se pode ver a enorme confusão que este telefonema veio causar! Aos três anos, ele foi operado aos rins e, aos cinco, ao coração. No dia três de Dezembro fez o cateterismo e, no dia cinco, teve lugar a operação. Fomos os dois sozinhos, de carro, e como não arranjámos lugar no parque de estacionamento, tivemos de deixar o carro cá fora e levar os sacos à mão. Ele levava os mais leves na mão e eu os mais pesados. O caminho parecia interminável, tal foi o número de vezes que tivemos parar, ora eu ora ele! Depois da convalescência hospitalar, seguiu-se-lhe a do lar. Tal como acontecera com a operação a ambos os rins, ele já andava e desaprendeu, ele teve de "reaprender" a andar... estive três meses de baixa ou mais... durante esse tempo, a escola comunicou-me que eu teria de ir a junta médica... eu?! Os médicos para nos evitarem o risco da ida à junta médica, pensando na saúde  e sofrimento da criança, passaram-me os atestados ora em meu nome ora no dele... Mais tarde, quando tinha seis anos foi atropelado numa passadeira por um carro e bateu com a cabeça no lancil do passeio... e foi de helicóptero para Lisboa. Mais dias de baixa... Hoje em dia, a saúde dele está mais estável e as idas a Coimbra só para consultas de rotina: nefrologia, estomatologia, cardiologia e psicologia. O ano passado, a actual ministra da eduducação, achou que as crianças com mais de doze anos podiam ir sozinhas a consultas. Eu pergunto-me como é que eu digo a um filho meu menor "Toma lá dinheiro e os cartões e vai a Coimbra à consulta tal... E cuidado não te percas, e vê se não és roubado..." ou então a dizer à minha filha do meio que tem doze anos e está cheia de febre "Levanta-te cedo e vai ao centro de saúde ver se tens consulta, caso não tenhas vai ao hospital, à urgência... Alguém se vê com coragem para fazer isto? Ora nós moramos fora da localidade, não há transportes públicos, parte da estrada onde passamos não tem passeios, é estreita e isolada, passam camiões...  Felizmente, ela parece ter o erro de tal decisão e voltou atrás. Ora, eu, quando falto, tenho um motivo forte, o último foi o carro... com uma avaria que, a contar da data da mesma, até à chegada da peça encomendada e à reparação, durou quatro dias... a minha sorte foi os meus pais emprestarem-me o deles para poder ir trabalhar, senão... Mais recentemente, e por motivos de saúde já tive de faltar algumas vezes, e como tenho uma turma do cef e o ministério da educação prevê que se dêem todas as aulas previstas (mesmo quando elas não são necessárias!) e como parece não ter previsto as faltas que os professores muito justamente têm de dar... está a escola num impasse, porque tem de obedecer às normas ditadas pelo ministério! Eu vou repor o número de horas escolhidas não sei por quem e que talvez nem façam falta, uma vez que o problema da turma não é de ordem cognitiva mas comportamental, devido ao défice de atenção que caracteriza os alunos... mas, quando tiver de faltar, eu falto e, se me quiserem despedir, não faz mal... é então que eu me decido, de uma vez, a emigrar em busca de outras paisagens mais justas... porque estou farta destes governantes que só exigem sem se lembrarem das justas contrapartidas! Também há outra solução para todos: quem quiser casar e ter família escolhe outra profissão. Já viram papéis a protestar?



publicado por fatimanascimento às 10:33
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2007
O aborto: um direito ou um crime?

   Estamos a pouco tempo de mais um acto eleitoral que pode ser decisivo para este país. Não sei o que o país irá decidir quanto a esta questão, mas a minha opinião está formada e tenho o direito de a manifestar. Este é, aliás, um tema também abordado e discutido em família, uma vez que são as famílias que estão em causa. A minha opinião tem muito a ver com a minha maneira de estar na vida e o meu lema é muito simples e já demasiado conhecido - vive e deixa viver. Isto parece, à primeira vista, uma posição anárquica e indiferente em relação ao que se passa à minha volta. Nada mais distante da verdade. O que se passa é que eu vi, reflecti e aprendi muito com a vida. Eu tenho três filhos e, aquando da última gravidez, por muito que me pressionassem, eu resisti à sugestão do aborto, uma vez que eu queria muito esta criança, que vinha já fora do tempo e na altura da separação. Fartei-me de ouvir frases como estas: "Tu sabes que eu não quero mais filhos" ou "Se fosses uma mulher como as outras já saberias o que deverias fazer". Recusei, inclusivé, a amniocentese com medo de perder a criança. Isto, contudo, não serve de exemplo para ninguém, uma vez que cada caso é um caso. Acompanhei muitos casos em que a gravidez não chegou ao fim. O que eu posso dizer em relação a essas experiências é que a minha posição nunca foi a de julgar e condenar mas a de compreender o próximo e penso que entendi algo que parece que passar despercebido, pelas mais diversas razões, à maioria das pessoas. O que posso dizer em relação a essas experiências é que nunca vi ninguém optar pelo aborto de ânimo leve, e a fase pós aborto foi sempre traumatizante e acompanhada de muito sofrimento, confusão e abatimento por parte das pessoas que, em último recurso optaram por ele. Isto deita por terra aquela ideia que a liberalização do aborto pode trazer graves consequências morais para a sociedade portuguesa. Esta posição, para mim, é de uma total hipocrisia e de um falso moralismo que me arrepia. Traz-me inclusivé à memória os tempos em que os nossos actos eram espiados como se nós fôssemos criancinhas inconsequentes e imorais. Como se algumas pessoas conhecessem a vida dos outros como para decidir o que é melhor para eles. Estou farta de pessoas que julgam que sabem o que é melhor para os outros e querem levar os outros a viver à maneira deles, porque só conhecem essa maneira que, para eles, é a única que está certa. Cabe a cada pessoa saber o que é melhor para si, eu utilizaria mesmo aquela expressão popular que diz que "Cada um sabe de si e Deus sabe de todos." Esta é a posição mais democrática e tolerante que me foi dada a conhecer. Quando se ultrapassar esta linha, entramos na ditadura moral social em que metade da população espera, julga e condena o próximo. E muitos sentem satisfação nisso... há que apelar é para o bom senso das pessoas e levá-las a acreditar no próximo de forma a dar-lhe a oportunidade de ser senhor da sua vida... Deus que é Deus não interfere na nossa vida - deu-nos o livre arbítrio - quem somos nós meros humanos para interferir na vida do próximo?



publicado por fatimanascimento às 20:53
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
27
28

29
30
31


posts recentes

Que têm em comum Camões e...

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

arquivos

Outubro 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds