mapa anual de remoinhos, desde 07 de Junho de 2008
ip-location
HELP TIBETE!
opiniões sobre tudo e sobre nada...
Sábado, 8 de Setembro de 2007
A questão das religiões

(Ainda a propósito... Outro texto aproximadamente da mesma altura do outro, este acho que foi escrito em 2005, uma vez que o recuperei de um caderno de uma das disciplinas da  pós-graduação que fiz nesse ano.)

 

Falar de religião ou religiões não é, forçosamente, falar de fronteiras. Bem pelo contrário, as religiões, todas elas, em vez de dividirem a população mundial, deveriam uni-la. Como? Embora a prática seja específica de cada religião, e a arquitectura dos templos varie segundo o país/cultura ( as mesquitas, as sinagogas, os templos budistas, etc., toda a população mundial com uma cultura média as consegue reconhecer pelas suas características específicas), contudo, a mensagem é uma só: O AMOR A DEUS, A SI PRÓPRIO E AO SEU SEMELHANTE. Porque será que esta mensagem é tão difícil de compreender, aceitar e pôr em prática?

   Eu nasci numa família de classe média baixa, religiosa q. b., fui baptizada, tive uma educação a condizer – frequentei um colégio fundado pelas irmãs de S. José de Cluny – fiz a primeira comunhão e terminei com o crisma. Para além do amor a Deus, da profunda mensagem de Jesus e do seu incomparável exemplo, sempre me ensinaram a respeitar os outros, independentemente da sua raça, credo, cultura, condição social, etc., e é isso que eu tenho tentado fazer durante toda a minha vida.

   Ora, eu tive a oportunidade de conhecer pessoas de outras religiões e de conhecer algumas das suas “Leis”. Sim, porque parece que algumas das religiões têm também as suas leis. Uma das que mais me chocou, foi a da Igreja de Cristo dos Últimos Dias ( é mais ou menos este o nome dela) quando uma amiga minha muito querida me disse que eu, pelo facto de ser católica, nunca poderia entrar numa igreja deles, nem mesmo pelo casamento dela. (Eu não me importaria (e até gostaria) de a acompanhar à igreja dela, nesse dia, e até noutras datas festivas. Porque não?) Nessa altura, eu fiquei contente ao perceber como nós, católicos, mantemos as nossas igrejas abertas a todas as pessoas, sem excepção. É esta abertura de espírito que eu admiro nas religiões, sejam elas quais forem.

   Uma das pessoas que eu mais admiro e gosto, para além do nosso Papa João Paulo II, é o nosso Dalai Lama, há tantos  anos exilado na Índia, e cuja atitude perante o que se passa no seu país, o Tibete, e perante o mundo inteiro que teima em ignorar essa situação é exemplar. Não me repugnaria entrar num templo budista e rezar com eles. Porque não? A linguagem religiosa é una e todos nós, os que rezamos, fazemo-lo pelo bem, seja em que idioma for, seja em que ponto do mundo for.  Ou não será assim?

   O que mais me assusta e me deprime, são as leis religiosas, a forma como se interpretam e se cristalizam nela. Ora, o mundo está em contínua mudança, para melhor e para pior, como toda a mudança, como poderemos olhar para uma sociedade através de uma lei que já nada tem a ver com ela?

   Ao falar com um conhecido meu, um padre e pessoa que eu estimo e estimarei sempre, quanto mais não seja pelos velhos tempos, ele dizia-me que o movimento adepto das leis está a tomar um novo vigor, e deu-me como exemplo as outras religiões, nomeadamente o fundamentalismo muçulmano. Ele não foi muito feliz na escolha e fiz-lhe notar o que se passava com os fundamentalistas. Lembrei-lhe o ódio e o medo que espalhavam por todo o mundo, até nos seus próprios países. Se seguir a lei religiosa é sinónimo de intransigência, medo, exclusão, incompreensão, intolerância, etc., então, os séculos que se aproximam não auguram nada de bom para nós, os fiéis.

A leiga,

Maria de Fátima Dias

 



publicado por fatimanascimento às 14:34
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

mapa mensal desde 7 de Junho de 2008
ip-location
mais sobre mim
contador
Free Web Counters
Free Counter
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Só anda descalço quem que...

"Bullies" /Predadores hum...

O que é a poesia?

Monarquia versus repúblic...

Meninas mulheres

sociedade e desigualdade

“Vai abrir a porta, filha...

Verdade, jornalismo e… co...

Refugiados

Esquerda unida

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Agosto 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

tags

todas as tags

favoritos

A manifestação de Braga

links
leitores on line
online
URGENTE!
www.greenpeace.pt
sapo
blogs SAPO
subscrever feeds